Comemorar o legado de Herschel



Esta delicada imagem que mostra as complexidades de bolhas e mechas interestelares, revela grande turbulência no complexo W3/W4/W5 de nuvens moleculares e regiões formadoras de estrelas. Foi obtida pelo Observatório Espacial Herschel da ESA, uma missão pioneira que observou o céu em comprimentos de onda do infravermelho distante e submilimétrico, entre 2009 e 2013.

Setembro tem sido o mês de momentos memoráveis ou marcos para o Herschel.

Quando o satélite ainda se encontrava na Terra, foi em Setembro de 2005 que o telescópio montado passou os seus primeiros testes.

Em Setembro de 2007, ocorreu o acoplamento do “cérebro” da missão – o módulo de carga útil com os instrumentos e o criostático que os manteria na temperatura desejada, logo acima do zero absoluto – com o “coração”, ou o módulo de serviço, que manteria a nave espacial a funcionar.

Durante o mesmo mês, os cientistas reuniram-se para planear como tirar o máximo partido dessa missão extraordinária, a partir do tempo de observação que estaria disponível.

Finalmente, o satélite foi lançado no dia 14 de maio de 2009. Alguns meses depois, foi novamente em Setembro que as primeiras observações científicas de Herschel foram realizadas – um momento memorável para muitos astrónomos em todo o mundo.

Oito anos depois, quando a missão se aproxima da reforma, a ESA comemora a maravilhosa ciência que alcançou, e faz um balanço do legado que Herschel deixa para trás.

Uma das áreas onde Herschel fez contribuições substanciais diz respeito aos processos que levaram à formação de estrelas, pesquisando uma grande quantidade de viveiros estelares, como o complexo W3/W4/W5, retratado nesta imagem.

Leia mais sobre o vislumbre sem precedentes da Herschel, nos berços estelares da nossa Galáxia, e os passos gigantes que foram dados na nossa compreensão de como as estrelas e os seus sistemas planetários ganham vida.

Entre muitas outras descobertas emocionantes, as observações de Herschel também investigaram o trilho de água através do cosmos, e reconstituíram a evolução das galáxias ao longo dos 14 mil milhões de anos da história do Universo. Siga a Semana de Herschel para ler mais sobre estas fascinantes descobertas e sobre o legado que a missão deixa para as futuras gerações de telescópios.

Junte-se à ESA para celebrar a Semana de Herschel e partilhe os seus #HerschelMoments memoráveis.

Notícia e imagem: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  ,

Deixe um comentário