China lança o satélite Gaofen-8



лªÉçÕÕƬ£¬Ì«Ô­£¬2015Äê6ÔÂ26ÈÕ     ÎÒ¹ú³É¹¦·¢Éä¸ß·Ö°ËºÅÎÀÐÇ     6ÔÂ26ÈÕ£¬´îÔظ߷ְ˺ÅÎÀÐǵÄÔËÔØ»ð¼ý·¢ÉäÉý¿Õ¡£     µ±ÈÕ14ʱ22·Ö£¬¸ß·Ö°ËºÅÎÀÐÇÔÚÎÒ¹úÌ«Ô­ÎÀÐÇ·¢ÉäÖÐÐijɹ¦·¢ÉäÉý¿Õ£¬ÎÀÐÇ˳Àû½øÈëÔ¤¶¨¹ìµÀ¡£     ¸ß·Ö°ËºÅÎÀÐÇÊǸ߷ֱæÂʶԵع۲âϵͳ¹ú¼Ò¿Æ¼¼ÖØ´óרÏî°²ÅŵĹâѧң¸ÐÎÀÐÇ£¬Ö÷ÒªÓ¦ÓÃÓÚ¹úÍÁÆղ顢³ÇÊй滮¡¢ÍÁµØȷȨ¡¢Â·ÍøÉè¼Æ¡¢Å©×÷Îï¹À²úºÍ·ÀÔÖ¼õÔÖµÈÁìÓò¡£¸ß·Ö°ËºÅÎÀÐǺÍÖ´Ðд˴η¢ÉäÈÎÎñµÄ³¤Õ÷ËĺÅÒÒÔËÔØ»ð¼ýÓÉÖйúº½Ìì¿Æ¼¼¼¯ÍŹ«Ë¾¸ºÔðÑÐÖÆ¡£ÕâÊdz¤Õ÷ϵÁÐÔËÔØ»ð¼ýµÄµÚ205´Î·ÉÐС£     лªÉç¼ÇÕßÕų¿ÁØÉã

A China levou a cabo o lançamento do satélite GF-8 Gaofen-8 às 0622UTC do dia 26 de Junho de 2015. O lançamento foi levado a cabo por um foguetão CZ-4B Chang Zheng-4B a partir do Complexo de Lançamento LC9 do Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan.

Este lançamento constituiu uma surpresa para os observadores do programa espacial Chinês, pois aquele país asiático haviam anunciado o lançamento de sete satélites nesta série nunca havendo referência a um oitavo veículo. As indicações apontam para que o Gaofen-8 seja um satélite de observação óptica que fará parte do Sistema Chinês de Observação da Terra em Alta-resolução.

O satélite Gaofen-1 foi catalogado com a Designação Internacional 2015-030A e com o n.º de catálogo orbital 40701. O satélite encontra-se colocado numa órbita com um perigeu a 472 km, apogeu a 478 km e inclinação orbital de 97,4°, semelhante à do satélite YG-14 Yaogan Weixing-14. Assim, é possível que a designação GF-8 Gaofen-8 possa ser uma fachada para encobrir parte do objectivo militar da missão. De notar que para além da usual utilização do veículo para ‘detecção remota, monitorização de desastres, mapeamento para agricultura’, que é referido pelas autoridades Chinesas, o Gaofen-8 será também utilizado para planeamento urbano, limitação de propriedades e planeamento de vias de comunicação, actividades para as quais é necessária uma resolução de pelo menos 3 menos que não é conseguida com os satélites GF-1 Gaofen-1 e GF-2 Gaofen-2.

лªÉçÕÕƬ£¬Ì«Ô­£¬2015Äê6ÔÂ26ÈÕ     ÎÒ¹ú³É¹¦·¢Éä¸ß·Ö°ËºÅÎÀÐÇ     6ÔÂ26ÈÕ£¬´îÔظ߷ְ˺ÅÎÀÐǵÄÔËÔØ»ð¼ýµã»ð·¢Éä¡£     µ±ÈÕ14ʱ22·Ö£¬¸ß·Ö°ËºÅÎÀÐÇÔÚÎÒ¹úÌ«Ô­ÎÀÐÇ·¢ÉäÖÐÐijɹ¦·¢ÉäÉý¿Õ£¬ÎÀÐÇ˳Àû½øÈëÔ¤¶¨¹ìµÀ¡£     ¸ß·Ö°ËºÅÎÀÐÇÊǸ߷ֱæÂʶԵع۲âϵͳ¹ú¼Ò¿Æ¼¼ÖØ´óרÏî°²ÅŵĹâѧң¸ÐÎÀÐÇ£¬Ö÷ÒªÓ¦ÓÃÓÚ¹úÍÁÆղ顢³ÇÊй滮¡¢ÍÁµØȷȨ¡¢Â·ÍøÉè¼Æ¡¢Å©×÷Îï¹À²úºÍ·ÀÔÖ¼õÔÖµÈÁìÓò¡£¸ß·Ö°ËºÅÎÀÐǺÍÖ´Ðд˴η¢ÉäÈÎÎñµÄ³¤Õ÷ËĺÅÒÒÔËÔØ»ð¼ýÓÉÖйúº½Ìì¿Æ¼¼¼¯ÍŹ«Ë¾¸ºÔðÑÐÖÆ¡£ÕâÊdz¤Õ÷ϵÁÐÔËÔØ»ð¼ýµÄµÚ205´Î·ÉÐС£     лªÉç¼ÇÕßÕų¿ÁØÉã

Gaofen-8 1

Os satélites Gaofen

Os satélites Gaofen são uma série de veículos de observação da Terra de alta-resolução da Administração Espacial Nacional Chinesa. Em português, ‘gao fen’ significa ‘alta-resolução’. O programa civil de satélites de observação da Terra em alta-resolução foi proposto em 2006, recebendo apoio governamental e sendo iniciado em 2010. O plano é o de lançar seis satélites entre 2013 e 2016. O primeiro satélite, o GF-1 Gaofen-1, foi lançado a 26 de Abril de 2013 pelo foguetão CZ-2D Chang Zheng-2D (Y18) a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan.

O principal objectivo do programa Gaofen é o de proporcionar imagens em tempo quase real para a prevenção e ajuda em desastres, monitorização das alterações climáticas, mapeamento geográfico, detecção e rastreamento ambiental e de recursos, bem como proporcionar apoio na agricultura. Os principais utilizadores dos dados são o Ministério do Solo e dos Recursos, Ministério da Protecção Ambiental e o Ministério da Agricultura.

Em 2010 o governo chinês aprovou a implementação Sistema Chinês de Observação da Terra em Alta-resolução (SCOTA), que é uma extensão do programa civil de satélites de observação da Terra em alta-resolução. O SCOTA será composto por sete satélites ópticos / micro-ondas. O Sistema de Observação da Terra e o Centro de Dados da Administração Espacial Nacional Chinesa é o responsável pela organização da construção do programa SCOTA. Este programa é composto por elementos do sistema espacial, quasi-espacial, aéreo, sistema de solo e sistema de aplicações como um todo para a observação do planeta em alta-resolução espacial, temporal e espectral.

O plano de implementação do SCOTA tem um período de desenvolvimento entre 2010 e 2020. Com o lançamento do GF-2 em 2014, até 2016serão lançados três novos satélites. O sistema completo de satélites estará em órbita até 2020.

O foguetão CZ-4B Chang Zheng-4B

Desenvolvido pela Academia de Tecnologia de Voo Espacial de Xangai, a família de lançadores Chang Zheng-4 é utilizada para a colocação de satélites em órbitas polares e órbitas sincronizadas com o Sol. São lançadores a três estágios de propolentes líquidos cujas raízes se encontram no foguetão FB-1 Feng Bao-1. A família destes lançadores consiste em três variantes: CZ-4A Chang Zheng-4A, CZ-4B Chang Zheng-4B e Chang Zheng-4C. Após o desenvolvimento do Feng Bao-1, a Academia de Tecnologia de Voo Espacial de Xangai foi incumbida do desenvolvimento do CZ-4. Aparentemente, este lançador seria um veículo suplente para o CZ-3B Chang Zheng-3B, com os dois primeiros estágios do CZ-4 a serem basicamente idênticos aos do foguetão CZ-3 Chang Zheng-3. O terceiro estágio do CZ-4 Chang Zheng-4 foi inteiramente desenvolvido pela Academia de Tecnologia de Voo Espacial de Xangai.

Após o sucesso do CZ-3B, a versão CZ-4 foi abandonada em 1982 e baseado no seu desenho foi introduzido o CZ-4A Chang Zheng-4A que é geralmente idêntico à primeira versão mas tendo uma massa no lançamento ligeiramente inferior (O CZ-4 Chang Zheng-4 tinha uma massa de 248.962 kg enquanto que o CZ-4A Chang Zheng-4A tinha uma massa de 241.092 kg.). O desenvolvimento do foguetão CZ-4B Chang Zheng-4B teve início em Fevereiro de 1989, com o primeiro lançamento previsto para ter lugar em 1997 mas acabando por só se realizar em 1999.

cz-4b_2014-08-18_18-26-05

O CZ-4B Chang Zheng-4B tem uma carenagem de protecção de maiores dimensões; o controlo electromecânico original foi substituído por um controlo electrónico; os sistemas de telemetria, seguimento, controlo e de auto-destruição foram melhorados e substituídos por dispositivos de menores dimensões; procedeu-se a uma revisão do desenho dos escapes dos motores do segundo estágio para melhor desempenho a elevada altitude; foi introduzido um sistema de gestão de consumo de propolente para o segundo estágio com o objectivo de reduzir o propolente residual e assim aumentar a capacidade de carga; e foi introduzido um sistema de ejecção de propolente para o terceiro estágio. É capaz de colocar uma carga de 4.200 kg numa órbita terrestre baixa, 2.800 kg numa órbita sincronizada com o Sol ou 1.500 kg para uma órbita de transferência para a órbita geossíncrona. O CZ-4B pode utilizar duas carenagens: uma com um comprimento de 7,12 metros, diâmetro de 2,90 metros e um peso de 800 kg, e outra com um comprimento de 8,48 metros, diâmetro de 3,35 metros e um peso de 800 kg.

Uma versão equipada com oito propulsores laterais de combustível sólido foi estudada pela Academia de Tecnologia de Voo Espacial de Xangai. O foguetão Chang Zheng-4B-8S teria uma massa de 270.000 kg no lançamento e seria capaz de colocar 2.600 kg numa órbita polar ou sincronizada com o Sol.

Dados Estatísticos e próximos lançamentos

– Lançamento orbital: 5458

– Lançamento orbital com sucesso: 5108

– Lançamento orbital China: 218

– Lançamento orbital China com sucesso: 206

– Lançamento orbital desde Taiyuan: 56

– Lançamento orbital desde Taiyuan com sucesso: 52

– Lançamento orbital desde Taiyuan em 2015: 1

Ao se referir a ‘lançamentos com sucesso’ significa um lançamento no qual algo atingiu a órbita terrestre, o que por si só pode não implicar o sucesso do lançamento ou da missão em causa (como foi o caso do recente lançamento do Progress M-27M).

A seguinte tabela mostra os totais de lançamentos executados este ano em relação aos previstos para cada polígono à data deste lançamento (os valores referentes ao lançamentos por parte da China não são precisos).

2015-030 1

2015-030 2

Dos lançamentos bem sucedidos levados a cabo: 32,3% foram realizados pela Rússia; 32,3% pelos Estados Unidos (incluindo ULA, SpaceX e Orbital SC); 6,5% pela China; 16,1% pela Arianespace; 6,5% pelo Japão, 3,2% pela Índia e 3,2% pelo Irão.

Os próximos lançamentos orbitais previstos são (hora UTC):

28 Junho (1421:00) – Falcon-9 v1.1R (F-19) – Cabo Canaveral AFS, SLC-40 – Dragon SpX-7 (CRS7); IDA-1; Flock-1f 1 a Flock-1f 8

3 Julho (0455:50) – 11A511U Soyuz-U (142) – Baikonur, LC1 PU-5 – Progress M-28M (Прогресс М-28М) (ISS-60P)

8 Julho (2142:00) – Ariane-5ECA (L578?/VA224) – CSG Kourou, ELA3 – Star One-C4; MSG-4/Meteosat-11

10 Julho (????:??) – PSLV-C28 (PSLV-XL); Satish Dawan SHAR Ilha de Sriharikota, FLP – DMC-3A; DMC-3B; DMC-3C; DeorbitSail-1; TBTN-1 (?)

15 Julho (1536:00) – Atlas-V/401 (AV-055) – Cabo Canaveral AFS, SLC-41 – GPS-IIF-10 (SV-11)

Deixe um comentário