China lança novo foguetão e três satélites com tecnologia Portuguesa



CZ-11_TW-1 1

Após o lançamento inaugural bem sucedido do foguetão CZ-6 Chang Zheng-6 no dia 19 de Setembro de 2015, a China apresenta um novo lançador que colocou em órbita quatro satélites. O voo inaugural do foguetão CZ-11 Chang Zheng-11 teve lugar às 0141:40UTC do dia 25 de Setembro a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan. A bordo seguiam três satélites TW-1 Tianwang-1, transportando tecnologia Portuguesa fundamental para o sucesso desta missão, e o satélite PJ-1 Pujian-1.

Aparentemente, todas as fases do lançamento decorreram sem problemas e os satélites foram colocados nas respectivas órbitas.

Informações anteriores davam conta de que os três satélites seriam transportados como carga secundária para uma órbita sincronizada com o Sol a uma altitude de 481 km.

A missão TW-1 Tianwang-1 (天网一号) é composta por três micro satélites que irão demonstrar o voo em formação e a capacidade de comunicação entre os três veículos em órbita. Os três satélites são aparentemente designados TW-1A Tianwang-1A (‘Shangkeda-2’ / SECM-1), TW-1B Tianwang-1B (NJUST-2) e TW-1C Tianwang-1C (NJFA-1), estes desenvolvidos pela Universidade de Aeronáutica e de Astronáutica de Nanjing. Os satélites são baseados nas plataformas CubeSat, sendo os satélites SECM-1 e NJUST-2 baseados na plataforma CubeSat-2U e o satélite NJFA-1 baseado na plataforma CubeSat-3U.

Tianwang-1 1

A cooperação entre a Tekever e o Shanghai Engineering Center for Microsatellite (SECM), surge após um acordo assinado a 22 de Abril de 2014 para o desenvolvimento de tecnologia para satélites e tendo como objectivo principal a integração da tecnologia da empresa portuguesa “dentro da plataforma de micro satélites e mini satélites que está a ser desenvolvida pela SECM.”

Segundo Ricardo Mendes, administrador da Tekever, em entrevista ao Correio da Manhã, “É a tecnologia Gamalink da Tekever que vai viabilizar que os três satélites que compõem a missão funcionem em conjunto, como uma constelação de satélites e não um conjunto de três satélites desconexos.

No entanto, o mundo dos pequenos satélites é algo de relativamente novo na exploração espacial Chinesa. Segundo Zhang Xuan, da SECM, “A motivação para a missão é muito simples, sendo esta a única maneira da nossa equipa aprender a tecnologia de fabrico de um CubeSat e de demonstrar a fiabilidade de transportar a tecnologia que é aplicada no solo para o espaço.” Ainda segundo Zhang Xuan, o processo de desenvolvimento da missão encontrou muitas dificuldades, mas a sua equipa conseguiu avançar no seu progresso.

O lançamento da missão TW-1 estava originalmente previsto para ter lugar em finais de 2014, acompanhando o lançamento de um satélite de detecção remota (neste caso, seria uma missão militar não especificada). No entanto, o lançamento seria adiado para Maio de 2015 e agora está previsto para finais de Setembro de 2015.

O principal objectivo da missão é o de levar a cabo a experiências e a avaliação de uma carga SDR (Software Defined Radio) no espaço. Com a missão pretende-se demonstrar o voo autónomo em formação utilizando dois CubeSats; a constituição de uma rede de CubeSats tendo por base os protocolos Gamalink e CSP (CubeSat Space Protocol); a demonstração e em órbita e validação do equipamento utilizado nos CubeSats, tais como os receptores GPS/Beidou, a micro-propulsão a gás MEMS; a monitorização dos gelos marítimos e a obtenção de informação sobre o trafico marítimo em regiões polares tendo por base o sistema AIS (Automatic Identification System) a bordo de um CubeSat; a monitorização do fluxo de tráfico aéreo ao recolher sinais ADS-B (Automatic Dependent Surveillance Broadcast); e a observação do processo de separação dos três satélites.

As cargas principais são estações de radio amador que serão utilizadas para a troca de TT&C (Telemetry, Tracking, and Command) com uma estação de controlo no solo, e transmissão de um sinal de farol e dados telemétricos com outras estações no solo. Outras cargas a bordo serão um receptor GPS/BD, uma câmara de vídeo, e receptores AIS e ADS-B.

O satélite TW-1A Tianwang-1A (‘Shangkeda-2’ / SECM-1 / STU-2B) irá transportar um transceptor para TT&C e uma carga de comunicação, além de uma câmara de vídeo. O satélite TW-1B Tianwang-1B (NJUST-2 / STU-2C) irá transportar um transceptor para TT&C e uma carga de comunicação, além de um receptor AIS. Este satélite foi desenvolvido em conjunto com a Universidade de Ciência e Tecnologia de Nanjing. Os satélites CubeSat-2 têm as dimensões 0,114 × 0,114 × 0,239 metros e uma massa de 1,7 kg. O satélite TW-1C Tianwang-1C (NJFA-1) irá transportar um transceptor para TT&C e uma carga de comunicação, além de um receptor ADS-B (também designado STU-2A, as suas dimensões são 0,114 × 0,114 × 0,3433 metros e a sua massa é de 2,9 kg).

Os sinais de telemetria, farol e do dispositivo de comunicações, serão abertos ao público para acesso sem restrições para que os raio-amadores em todo o mundo possam seguir os satélites e monitorizar o seu estado. Os sinais de downlink em VHF e em UHF com 57k6 GMSK e em 2.4GHz com o espectro alargado a 1Mbps, tendo por base o protocolo GAMANET.

A tecnologia Gamalink

A tecnologia Gamalink foi desenvolvida pela Tekever e permite que uma única plataforma física (hardware) possa lidar com vários tipos de ligações de rádio, cada uma das quais utilizando o seu próprio software. Anteriormente, cada ligação de rádio possuía o seu próprio hardware, porém esta nova tecnologia torna o sistema mais simples.

Assim, a tecnologia Gamalink irá permitir aos três satélites trabalharem em conjunto como uma constelação de satélites e não como um conjunto de três satélites desconectados. A tecnologia irá permitir que os três satélites comuniquem entre si e que interajam, “como uma dança espacial,” nas palavras de Ricardo Mendes.

Para além dos três satélites TW-1, a bordo do primeiro CZ-11 encontrava-se o satélite PJ-1 Pujian-1 que foi desenvolvido pela Academia de Tecnologia de Voo Espacial de Xangai. Nesta altura não se sabe qual o objectivo da missão deste satélite.

O novo Chang Zheng-11

Poucas características são conhecidas do CZ-11 Chang Zheng-11 (长征十一号). Este novo lançador é um veículo a quatro estágios que consomem prepolente sólido. Possivelmente o quarto estágio deverá estar equipado com um sistema de controlo que utiliza prepolentes líquidos. O novo lançador foi desenvolvido pela Corporação de Ciência e Tecnologia Industrial da China uma subsidiária da Academia Chinesa de Tecnologia de Lançadores Espaciais.

O foguetão tem um comprimento de 20,8 metros, diâmetro de 2,0 metros e uma massa de 58.000 kg, desenvolvendo 120.000 kg/f no lançamento, sendo capaz de colocar uma carga de 350 kg numa órbita sincronizada com o Sol a uma altitude de 700 km.

É um veículo de actuação rápida, podendo ser pronto para o lançamento numa questão de horas. O objectivo é dar resposta rápida em situações de emergência. O CZ-11 está projectado para o lançamento de pequenas cargas.

Dados Estatísticos e próximos lançamentos

– Lançamento orbital: 5480

– Lançamento orbital com sucesso: 5129

– Lançamento orbital China: 224

– Lançamento orbital China com sucesso: 212

– Lançamento orbital desde Jiuquan: 79

– Lançamento orbital desde Jiuquan com sucesso: 73

– Lançamento orbital desde Jiuquan em 2015: 2

Ao se referir a ‘lançamentos com sucesso’ significa um lançamento no qual algo atingiu a órbita terrestre, o que por si só pode não implicar o sucesso do lançamento ou da missão em causa (como foi o caso do lançamento do Progress M-27M).

A seguinte tabela mostra os totais de lançamentos executados este ano em relação aos previstos para cada polígono à data deste lançamento (os valores referentes aos lançamentos por parte da China não são precisos).

2015-051 1

2015-051 2

Dos lançamentos bem sucedidos levados a cabo: 32,1% foram realizados pela Rússia; 24,5% pelos Estados Unidos (incluindo ULA, SpaceX e Orbital SC); 15,1% pela China; 15,1% pela Arianespace; 5,7% pelo Japão, 5,7% pela Índia e 1,9% pelo Irão.

Os próximos lançamentos orbitais previstos são (hora UTC):

28 Set (0430:00) – PSLV-C30 (PSLV-XL) – Satish Dawan SHAR, FLP – AstroSat-1; LAPAN-A2; exactView-9; Satélite NLS; Lemur-2; Lemur-3; Lemur-4; Lemur-5

29 Set (2315:00) – CZ-3B Chang Zheng-3B/G2 (Y33) – Xichang – Beidou-3-I2s

30 Set (2018:07) – Ariane-5ECA (L580/VA226) – CSG Kourou, ELA3 – Sky Muster (NBN Co 1A); Arsat-2

01 Out (1649:41) – 11A511U Soyuz-U (G15000-146) – Baikonur, LC1 PU-5 – Progress M-29M  (Прогресс М-29М)

02 Out (1009:00) – Atlas-V/421 (AV-059) – Cabo Canaveral AFS, SLC-41 – Morelos 3 (Mexsat-2)

05 Out (????:??) – CZ-2D Chang Zheng-2D – Jiuquan, LC43/603 – JL-1 Jinlin-1 (吉林1号); LQ Lingqiao-A (灵巧验证卫星); LQ Lingqiao-B (灵巧视频卫星); LQSat

Deixe um comentário