China lança nova missão espacial tripulada Shenzhou-11



shenzhou-11-43

Após várias semanas de antecipação, a China levou a cabo o lançamento da sua sexta missão espacial tripulada. A SZ-11 Shanzhou-11 (神舟十一号) foi colocada em órbita com uma tripulação constituída pelo Comandante, Jing Haipeng, e pelo Engenheiro de Voo, Chen Dong.

O lançamento foi levado a cabo pelo foguetão CZ-2F/G Chang Zheng-2F/G (Y11) às 23:30:31,409UTC do dia 16 de Outubro de 2016 a partir da Plataforma de Lançamento 921 do Complexo de Lançamento LC43 do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan. A separação da Shenzhou-11 teve lugar às 23:41UTC.

A principal missão da Shenzhou-11 será a acoplagem com o módulo orbital TG-2 Tiangong-2, onde os dois taikonautas permanecerão durante 30 dias numa missão com uma duração de 33 dias. A acoplagem com o Tiangong-2 deverá ter lugar a 18 de Outubro. 

Segundo Zhu Zongpeng, principal responsável pelo programa da Tiangong-2, a Shenzhou-11 será a única missão tripulada que irá acoplar com o novo laboratório orbital.

Saiba mais sobre a cápsula espacial Chinesa: Shenzhou, o divino barco dos deuses.

shenzhou-11-35

shenzhou-11-36

Em órbita os dois homens irão levar a cabo várias experiências tecnológicas. O módulo orbital está equipado com diversos dispositivos envolvendo 14 experiências. Ambos os homens irão trabalhar em turno de 8 horas por dia, descansando durante o período da noite e estabelecendo assim um ciclo regular de actividade durante a permanência na Tiangong-2. Outras experiências incluem inspecções por ultras-sons, análise da função cardiopolmunar, substituição de amostras de produção espacial, bem como experiências relacionadas com reparações em órbita. 

shenzhou-11-34A estação orbital está equipada com todos os meios necessários para proporcionar um ambiente confortável para os seus tripulantes em termos de ambiente sonoro e de luminosidade, decoração e processamento de ruídos. A estação está equipada com um certo número de dispositivos destinados à realização de exercício físico, incluindo uma bicicleta ergonómica e uma passadeira para preservar a função muscular dos membros inferiores.

Para comunicações os taikonautas irão utilizar dispositivos bluetooth e dispositivos de áudio e de vídeo, para assim poderem comunicar com as suas famílias e poderem observar programas televisivos e de música que serão transmitidos do solo. Durante a missão os dois homens terão uma dieta com um ciclo de 5 dias, tendo à sua disposição cerca de 100 tipos distintos de alimentos para satisfazer as necessidades nutricionais em órbita.

shenzhou-11-37

shenzhou-11-38

shenzhou-11-45

shenzhou-11-44

shenzhou-11-42

shenzhou-11-40

A tripulação da Shenzhou-11

A tripulação da Shenzhou-11 é composta por Jing Haipeng, um veterano de duas missões espaciais, e pelo novato, Chen Dong.

shenzhou-11-21

Jing Haipeng (景海鹏) nasceu a 24 de Outubro de 1966, em Yuncheng – província de Shanxi. É piloto na Força Aérea do Exército de Libertação do Povo e foi seleccionado para taikonauta em Janeiro de 1998. O primeiro voo espacial de Jing Haipeng teve lugar entre 25 e 28 de Setembro de 1998, servindo como Operador a bordo da SZ-7 Shenzhou-7. A sua segunda missão espacial ocorreu entre 16 e 29 de Junho de 2012, servindo como Comandante da SZ-9 Shenzhou-9, a primeira tripulação a ocupar o laboratório orbital TG-1 Tiangong-1. O Coronel Sénior Jing Haipeng é casado e tem um filho. Ingressou no Exército de Libertação do Povo em 1985 e possuí mais de 1.200 horas de experiência de voo em diferentes tipos de aviões. O seu tempo total de experiência em voo espacial é de 15 dias 11 horas 0 minutos e 53 segundos.

Jing Haipeng é o primeiro taikonauta da China e o 193º ser humano a realizar três missões espaciais.

shenzhou-11-19

Chen Dong (陈冬) nasceu em Dezembro de 1978 e ingressou no Exército de Libertação do Povo em Agosto de 1997. Serviu como Capitão de um regimento da orça Aérea do Exército de Libertação do Povo e acumulou mais de 1.500 horas de voo em diferentes tipos de aviões. Em Maio de 2010 foi seleccionado para o corpo de taikonautas na segunda selecção levada a cabo pela China.

Chen Dong é o 11º taikonauta da China, sendo o 547º ser humano a realizar um voo espacial orbital.

shenzhou-11-20

Preparativos para o lançamento

Após o lançamento bem sucedido da estação espacial TG-2 Tiangong-2 no dia 15 de Setembro de 2016, a China começou a ultimar os preparativos para o lançamento da Shenzhou-11. O novo laboratório orbital foi colocado numa órbita inicial com um perigeu a 197 km e apogeu a 373 km e após a execução de duas manobras orbitais, ficou colocado numa órbita com um perigeu a 369 km e apogeu a 378 km de altitude. Com o Tiangong-2 na sua órbita operacional, a maior parte das experiências a bordo foram activadas com sucesso no dia 22 de Setembro.

shenzhou9-2Entretanto, no Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan, os preparativos para o lançamento da Shenzhou-11 entravam numa fase crítica, com os trabalhos a terem lugar tanto na cápsula espacial como no seu foguetão lançador.

O foguetão CZ-2F/G Chang Zheng-2F/G que seria utilizado para colocar em órbita a Shenzhou-11 deixou as instalações de fabrico perto de Pequim a 3 de Agosto, iniciando uma viagem via caminho-de-ferro que o levaria até Jiuquan, onde chegaria a 6 de Agosto. Por seu lado, a cápsula Shenzhou-11 foi transportada por via aérea para Jiuquan a 13 de Agosto. Após a chegada a Jiuquan, tanto os componentes do foguetão lançador como os módulos da Shenzhou-11 foram verificados e testados, iniciando-se de seguida os preparativos para o lançamento.

Em finais de Abril, surgiram duas imagens na Internet que mostravam o que parecia ser uma simulação do lançamento da Shenzhou-11, apontando para uma data de 16 de Outubro.

shenzhou9-3

shenzhou9-5 shenzhou9-4

Finalizados os preparativos para o lançamento tanto na Shenzhou-11 como no seu foguetão lançador, e terminada a integração deste no interior do gigantesco edifício de integração vertical, o foguetão Chang Zheng-2F/G (Y11) com a Shenzhou-11, foi transportada para a plataforma de lançamento às primeiras horas do dia 10 de Outubro de 2016, num passo importante para o lançamento.

As duas tripulações (principal e suplente) chagaram ao Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan no dia 12 de Outubro, para darem início aos seus preparativos finais para a missão. A tripulação principal participaria numa simulação do lançamento no dia seguinte no interior da cápsula espacial.

shenzhou9-6O usual aviso para a navegação aérea que é emitido quando ocorre algum lançamento orbital a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan, foi emitido a 12 de Outubro deixando assim antever o período no qual teria o lugar o lançamento da próxima missão espacial tripulada da China. Os avisos NOTAM (NOTice do AirMan) são avisos que são emitidos e que designam as zonas do espaço aéreo que serão utilizadas para as trajectórias de lançamentos orbitais ou sub-orbitais, bem como o período nos quais essas zonas podem ser utilizadas, evitando assim uma possível colisão com outros objectos no mesmo espaço aéreo. O aviso emitido confirmava de facto que o lançamento teria lugar a 16 de Outubro.

shenzhou-11-30

shenzhou-11-31

shenzhou-11-32

shenzhou-11-33

As autoridades Chinesas anunciaram o nome dos dois tripulantes apenas no dia do lançamento durante uma conferência de imprensa realizada no Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan. Os dois homens participaram nessa conferência de imprensa, respondendo a várias questões colocadas pela comunicação social.

shenzhou-11-22

shenzhou-11-23

shenzhou-11-24

Após a conferência de imprensa os dois homens dirigiram-se para as instalações da tripulação onde começaram os preparativos finais para o lançamento, envergando os seus fatos espaciais pressurizados. Terminando estes preparativos, os dois homens apresentaram-se perante as autoridades militares referindo a sua prontidão para o lançamento e para cumprir a missão. De seguida, ingressaram no interior de um autocarro espacial que os levou até à plataforma de lançamento 921 do Complexo de Lançamento LC43.

shenzhou-11-25

shenzhou-11-26

Saindo do autocarro, os dois homens entraram num elevador na plataforma de lançamento que os levou até a uma antecâmara que permitiu o acesso ao módulo orbital da Shenzhou-11 e daí ao módulo de regresso. O primeiro a ingressar na cápsula espacial foi o Engenheiro de Voo Chen Dong que ocupou o assento à direita do Comandante Jing Haipeng que ocupou o assento central. Curiosamente, as imagens transmitidas a partir do interior da Shenzhou-11 revelou a existência de um terceiro assento no interior da cápsula espacial, mas que não estava preparado para receber um terceiro membro da tripulação. De recordar que a Shenzhou-11 faz parte do desenho final das cápsula Shenzhou e daí a existência de uma terceira posição no interior do módulo de regresso.

shenzhou-11-27

shenzhou-11-28

Lançamento da Shenzhou-11

Para saber mais sobre as cápsulas espaciais Shenzhou.

Todas as fases do lançamento da Shenzhou-11 decorreram como previsto e foram bem sucedidas.

O abastecimento do foguetão CZ-2F/G Chang Zheng-2F/G decorreu como previsto e sem qualquer problema nas horas que antecederam o lançamento. A tripulação apresentou-se perante os responsáveis do programa espacial e após referirem que estavam prontos para a missão, dirigiram-se para a plataforma de lançamento.

Após chegarem à plataforma de lançamento, e depois das usuais saudações, os dois elementos entraram no elevador que os transportou até uma antecâmara que lhes daria acesso ao módulo orbital da Shenzhou-11 a partir do qual ingressariam no módulo de descida. Mais uma vez, todos os procedimentos são muito semelhantes aos realizados a quando dos lançamentos espaciais tripulados russos. Os dois taikonautas sentaram-se na antecâmara e antes de ingressar na Shenzhou-11 verificaram o estado dos seus fatos espaciais pressurizados. Após ingressarem na cápsula espacial, Chen Dong ocupou o assento do lado direito e Jing Haipeng ocupou o assento do lado esquerdo.

Os preparativos para o lançamento foram decorrendo como previsto. Com a tripulação já interior da Shenzhou-11 e nos seus respectivos assentos, procedeu-se ao encerramento da cápsula e à evacuação da antecâmara de acesso. Posteriormente, a torre de serviço foi evacuada bem como toda a plataforma de lançamento. De seguida procedeu-se à abertura das diferentes secções da torre de serviço. À medida que as diferentes secções se iam abrindo e colocando na posição final de lançamento, a figura do foguetão CZ-2F/G Chang Zheng-2F/G (Y11) ia-se mostrando resplandecente.

A T-20m a tripulação reportava que se encontrava bem e todos os sistemas estavam prontos para o lançamento. A T-15 m procedeu-se à verificação final dos sistemas da Shenzhou-11, do seu foguetão lançador, da plataforma de lançamento e de todos os sistemas em terra incluindo a rede de estações que iriam seguir a Shenzhou-11 nas fases iniciais de voo.

Com tudo a correr como previsto, deu-se a ignição dos motores do primeiro estágio do foguetão CZ-2F/G Chang Zheng-2F/G (Y11) bem como dos quatro propulsores laterais de combustível líquido e o lançamento a teve lugar às 23:30UTC.

A T=0s ocorre a ignição dos quatro motores do primeiro estágio do foguetão lançador juntamente com a ignição dos quatro propulsores laterais de combustível líquido, fazendo com que o veículo deixe a plataforma de lançamento. O lançador eleva-se na vertical durante alguns segundos e a T+20s inicia uma manobra de arfagem para se colocar no azimute de voo e no perfil de voo correcto para a missão. Esta manobra minimiza as cargas aerodinâmicas sobre a estrutura do veículo.

A T+1m 2s, o foguetão atinge a velocidade do som e a T+1m 15s passa para zona de máxima pressão dinâmica. A T+2m 1s ocorre a separação da torre do sistema de emergência e os quatro propulsores laterais de combustível líquido são separados a T+2m 34s. Sete segundos mais tarde, os motores do primeiro estágio terminam a sua queima, iniciando assim o processo de separação do primeiro estágio e a ignição do segundo estágio.

A carenagem de protecção separa-se a T+3m 28s. Não sendo mais necessária, a separação das duas metades da carenagem expõe a cápsula espacial Shenzhou-11.

O final da queima do motor do segundo estágio ocorre a T+7m 41s. Quatro motores vernier continuam a sua função propulsionando e estabilizado o conjunto durante mais 115 segundos. O final da queima dos quatro vernier ocorre a T+9m 36s.

A separação entre a Shenzhou-11 e o segundo estágio do seu foguetão lançador ocorre 9 minutos e 44 segundos após ter deixado a plataforma de lançamento. A abertura dos dois painéis solares necessários para o fornecimento de energia ocorre 3 minutos após a separação da cápsula espacial. A Shenzhou-11 irá depois manobrar em órbita, colocando-se na trajectória ideal para o seu voo de dois adias até atingir o Tiangong-2.

Experiências durante a missão Shenzhou-11 

O Tiangong-2 foi lançado com 14 experiências a bordo que terão como foco tecnologias avançadas tais como a ciência de materiais e ciências da vida. Estas experiências serão operadas de forma automática ou com a presença de tripulação a bordo.

A estação está equipada com o detector de raios gama POLAR; com uma experiência de comunicações quânticas e por laser que será utilizada em conjunto com o satélite Mozi ‘Quantum Science Satellite’ recentemente colocado em órbita; com uma experiência de convecção por termocapilaridade e uma experiência de materiais espaciais; um altímetro estereoscópico de micro-ondas; uma experiência para estudar o crescimento espacial das plantas; e um sistema de observação de alto leque espectral e de multi ângulos, além de um espectrómetro multi-espectral. A bordo do TG-2 está também o primeiro relógio espacial atómico de fonte fria.

A bordo está também uma variedade de experiências desenvolvidas pelo Centro Nacional de Ciências Espaciais em supervisão da Academia de Ciências da China em colaboração com a Universidade de Geneva, Suiça. Este é o projecto POLAR, um detectar de explosões de raios gama (GRB – Gamma-Ray Burst). O POLAR irá utilizar o efeito de dispersão Compton para medir a polarização de fotões. O POLAR não tem como missão fazer uma localização precisa dos GRB no céu e isto simplifica o desenho do detector. Actualmente, missões como o SWIFT podem fornecer esta informação de forma imediata. Muitos futuros satélites irão ter capacidades semelhantes. Para complementar, o POLAR pode localizar de forma pouco precisa os GRB mais fortes de forma independente e com uma precisão suficiente para uma medição.

tiangong-2-14

tiangong-2-15

O lançador CZ-2F Chang Zheng-2F e o Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan

O foguetão CZ-2F/G Chang Zheng-2F/G

O foguetão CZ-2F/G Chang Zheng-2F/G é uma versão do foguetão lançador CZ-2F Chang Zheng-2F utilizado no programa espacial tripulado Shenzhou (Projecto 921). Este lançador também pode ser designado como CZ-2F Chang Zheng-2F ‘Fase Um’. Este lançador, desenvolvido pela Academia Chinesa de Tecnologia de Veículos Lançadores sobre coordenação da Corporação de Ciência e Tecnologia Aeroespacial da China, é diferente da versão original Shenjian (Seta Mágica) que foi desenvolvida a partir do foguetão CZ-2E Chang Zheng-2E que por sua vez foi baseado na tecnologia matura do lançador CZ-2C Chang Zheng-2C. O desenho conceptual do Chang Zheng-2E foi iniciado em 1986, com o veículo a ser colocado no mercado mundial de lançadores após um voo de teste em Julho de 1990.

Para satisfazer os requisitos da missão de encontro e acoplagem, o Chang Zheng-2F sofreu mais de 170 modificações e utilizou cinco novas tecnologias. Este veículo foi utilizado para o lançamento do Tiangong-1, da Shenzhou-8, da Shenzhou-9 e da Shenzhou-10, vindo também a ser utilizado para o lançamento dos futuros veículos do programa espacial tripulado até um lançador mais potente estar disponível, no caso o CZ-7 Chang Zheng-7.

As diferenças principais desta versão encontram-se na capacidade de propolente dos propulsores laterais de combustível líquido que foi aumentada alterando-se o formato do topo dos tanques de esférico para cónico. Em resultado, o lançador tem cerca de 450.000 kg de propolente, 493.000 kg na massa de lançamento e a sua capacidade de lançamento para missões para a órbita terrestre baixa foi aumentada para 8.600 kg. Por outro lado, o sistema de orientação por giroscópios foi substituído por unidades de medição de inércia por laser e o sistema original de orientação de perturbação foi substituído por um novo sistema interactivo que proporciona uma melhor precisão de inserção orbital.

Tal como o CZ-2F, o CZ-2F/G Chang Zheng-2F/G é um lançador a dois estágios auxiliado por quatro propulsores laterais de combustível líquido durante a ignição do primeiro estágio. O comprimento total do CZ-2F/G é de 52,0 metros com um estágio central de 3,35 metros de diâmetro e um diâmetro máximo de 8,45 metros na base e contando com os propulsores laterais. No lançamento a sua massa é de 493.000 kg, sendo capaz de colocar numa órbita baixa uma carga de 8.600 kg.

No foguetão Chang Zheng-2F, os propulsores laterais LB-40 têm um comprimento de 15,326 metros, 2,25 metros de diâmetro, um peso bruto de 40.750 kg e uma massa de 3.000 kg sem propolente. Cada propulsor está equipado com um motor YF-20B de escape fixo que consome UDMH/N2O4 desenvolvendo uma força de 740,4 kN ao nível do mar. o seu tempo de queima é de 127,26 segundos (será de 137 segundos para o CZ-2F/G). Os propulsores no CZ-2F/G têm um maior comprimento e maior capacidade de propolente o que permite um maior tempo de queima.
O primeiro estágio L-180 tem um comprimento de 28,465 metros, diâmetro de 3,35 metros, peso bruto de 198.830 kg e uma massa de 12.550 kg sem propolentes. Está equipado com um motor YF-21B composto de quatro motores YF-20B que desenvolvem 2.961,6 kN ao nível do mar. Os motores consomem UDMH/N2O4. O seu tempo de queima é de 160,00 segundos (poderá ser superior na versão CZ-2F/G).

O segundo estágio L-90 tem 14,223 metros de comprimento, 3,35 metros de diâmetro, uma massa bruta de 91.414 kg e uma massa de 4.955 kg sem propolente. Está equipado com um motor YF-24B composto de um motor YF-22B de escape fixo e por quatro motores vernier de escape amovível YF-23B. Os motores consomem UDMH/N2O4 desenvolvendo 738,4 kN (motor principal) e 47,04 kN (motores vernier) de força em vácuo. O tempo total de queima é de 414,68 segundos (motor principal) e de 301,18 segundos (motores vernier).

O sistema de emergência montado no topo do lançador fornece uma força de 73.000 kgf e é accionado durante 3 segundos em caso de emergência podendo deslocar o veículo a uma distância de 1,5 km na vertical e a 500 metros na horizontal.

O Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan

O primeiro centro de lançamento de satélites da China é também conhecido como Shuang Cheng Tse. O Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan está localizado a 41º N – 100º E, na região de Jiuquan – região da Mongólia Interior, no Noroeste da China. Desde Jiuquan é possível atingir uma inclinação orbital máxima de 56,0º e uma inclinação orbital mínima de 40,0º.

Foi o primeiro local de testes e lançamento de mísseis e veículos espaciais. O aeroporto de Jiuquan está localizado a 75 km a Sul do local e uma linha de ferro liga-o directamente ao centro espacial. As instalações do complexo dão apoio a todas as fases da campanha de preparação de um lançamento espacial. Inclui o Centro Técnico, o Complexo de Lançamento, o Centro de Controlo de Lançamento, o Centro de Controlo e Comando da Missão, o sistema de abastecimento, os sistemas de detecção e rastreio, os sistemas de comunicações, os sistemas de fornecimento de gás, os sistemas de previsão meteorológica e os sistemas de suporte logístico.

Originalmente o centro espacial de Jiuquan foi utilizado para o lançamento de satélites científicos e recuperáveis para órbitas baixas ou de média altitude com altas inclinações orbitais.

Em 1999 o Centro Sul (LC43) ficou operacional para ser utilizado para o lançamento dos foguetões pesados CZ-2E Chang Zheng-2E e CZ-2F Chang Zheng-2F. O centro é constituído por duas áreas, o Centro Técnico e o Centro de Lançamento. O Centro de Lançamento está localizado a 40º57,4’ N – 100º 17,4’ E com uma elevação de 1.073 metros de altitude. Uma torre umbilical com uma altura de 75 metros está equipada com um elevador à prova de explosões e a plataforma móvel tem um peso de 75.000 kg e tem um comprimento de 24,4 metros, uma largura de 21,7 metros e uma altura de 8,4 metros, movendo-se a uma velocidade máxima de 28 metros por minutos.

O Centro Técnico está localizado a 1,5 km de distância do Centro de Lançamento. O Centro Técnico inclui um edifício de processamento vertical com duas salas de processamento com um comprimento de 26,8 metros, uma largura de 28,0 metros e uma altura de 81,6 metros. Todos os edifícios importantes, incluindo o edifício de processamento vertical e uma área da torre umbilical, são locais com ar condicionado e de classe de limpeza 100,000.

O edifício de processamento vertical, que tem a designação de código 920-520, é o maior edifício de um único andar construído em betão armado. Possui também o telhado de betão armado mais alto (86,1 metros) e mais pesado (13.000 t) do mundo.

O centro de Jiuquan possui três áreas de lançamento:

  • Área de Lançamento n.º 2 (LC2): está localizada a uma latitude de 41,3100º N e a uma longitude de 100,3050º E. Possui duas plataformas de lançamento (5020 e 138) e o primeiro lançamento foi aí levado a cabo no dia 26 de Dezembro de 1966, com o último lançamento a ter lugar a 3 de Julho de 1994. No total foram realizados 41 lançamentos utilizando os foguetões CZ-1 Chang Zheng-1, CZ-2A Chang Zheng-2A, CZ-2C Chang Zheng-2C (plataforma localizada a uma latitude de 41,118º N e a uma longitude de 100,316º E), CZ-2D Chang Zheng-2D, DF-3 Dong Feng-3, DF-5 Dong Feng-5 e FB-1 Feng Bao-1.
  • Área de Lançamento nº 3 (LC3): está localizada a uma latitude de 41,1000º N e a uma longitude de 100,7800º E. Possui uma única plataforma de lançamento e o primeiro lançamento foi aí levado a cabo no dia 1 de Setembro de 1960, com o último lançamento a ter lugar a 27 de Outubro de 1966. No total foram realizados 9 lançamentos utilizando os foguetões DF-1 Dong Feng-1, DF-2 Dong Feng-2, DF-2A Dong Feng-2A e R-2.
  • Complexo de Lançamento Sul (LC43): está localizada a uma latitude de 40,9581º N e a uma longitude de 100,2912º E, perto da cidade de Huxi Xincun. Possui duas plataformas de lançamento (Plataforma 603 para voos não tripulados e a Plataforma 921 para voos ligados ao programa espacial tripulado). O primeiro lançamento desde este complexo foi levado a cabo no dia 19 de Novembro de 1999.

A construção do complexo foi iniciada em Junho de 1956, com a construção das vias-férreas até ao local de ensaio de mísseis. O primeiro lançamento chinês de um míssil soviético R-2 deu-se em Setembro de 1960, com o míssil a atingir uma altitude de 100 km. O primeiro lançamento de um míssil R-2 construído pela China (modelo 1059) deu-se a 5 de Novembro de 1960.

A 21 de Março de 1962 teve lugar a primeira tentativa de lançamento do míssil DF-2 Dong Feng-2 que resultou num fracasso devido à fraca potência originada pelo motor. O primeiro teste com sucesso teve lugar a 29 de Junho de 1964. No dia 27 de Outubro de 1966 foi levado a cabo o lançamento de um míssil DF-2 Dong Feng-2 equipado com uma ogiva nuclear de 20 kt. O míssil executou um voo de 800 km detonando a sua carga na zona de testes nucleares de Lop Nor. O primeiro voo com sucesso do míssil DF-3 Dong Feng-3 tem lugar a 26 de Dezembro de 1966. Em 10 de Janeiro de 1970 é levado a cabo o primeiro teste suborbital do foguetão CZ-1 Chang Zheng-1 e a 10 de Agosto de 1972 é levado a cabo o primeiro teste do foguetão FB-1 Feng Bao-1 que atinge uma altitude de 200 km num voo suborbital.

A 18 de Maio de 1980 é levado a cabo o lançamento de um míssil DF-5 Dong Feng-5 que percorrer o máximo possível da sua trajectória desde Jiuquan até ao Sul do Oceano Pacífico num total de mais de 10.000 km. A cápsula de reentrada é recuperada pela Marinha Chinesa e alguns analistas norte-americanos acreditam que a cápsula foi o teste de um protótipo de um veículo tripulado.

O centro inclui um Centro Técnico, dois complexos de lançamento, um Centro de Comando e Controlo, um Centro de Controlo de Lançamento, sistemas de abastecimento, sistemas de previsão meteorológica, e sistemas de suporte logístico. Jiuquan foi originalmente utilizado para o lançamento de satélites científicos e de satélites recuperáveis para órbitas terrestres baixas ou de média altitude com altas inclinações.

O programa espacial tripulado utiliza a Plataforma de Lançamento 921 situada no Complexo de Lançamento Sul. Este foi construído na segunda metade dos anos 90 e mais tarde foi-lhe acrescentada a Plataforma de Lançamento 603 para lançamentos não tripulados.

Para além das plataformas de lançamento, o complexo de lançamento está dotado de um centro técnico onde decorrem os preparativos do foguetão lançador e das suas cargas. O Centro Técnico é composto de instalações de processamento e de montagem vertical do lançador, edifícios de processamento de cargas, edifício de processamento dos propulsores sólidos, edifício de armazenamento de propolentes hipergólicos e o centro de controlo de lançamento.

O complexo está equipado com um centro computacional melhorado, sistemas de monitorização e comando, e uma capacidade aumentada para se adaptar às alterações nas condições das missões, bem como os recursos necessários para lidar com as tarefas do lançamento e de comando. Um sistema integrado de treino para os lançamentos espaciais foi também desenvolvido para esta missão. Os engenheiros também levaram a cabo uma verificação técnica intensiva de dois meses no equipamento entre Março e Maio de 2011. A segurança e a fiabilidade dos instrumentos foram significativamente melhoradas. Os lançamentos orbitais desde Jiuquan são supervisionados desde o Centro de Comando e Controlo situada na cidade espacial de Dongfeng, 60 km a sudoeste do centro de lançamento.

A torre umbilical do complexo 921 é composta por uma estrutura fixa e um par de seis plataformas rotativas. Uma vez chagado à plataforma de lançamento, as plataformas rotativas são colocadas em torno do foguetão para permitir o seu abastecimento e para que os técnicos tenham acesso às suas diferentes zonas para realizarem os procedimentos finais de verificação. A torre umbilical também contém uma área protegida e de ambiente controlado para permitir o acesso dos taikonautas ao interior dos veículos. As plataformas rotativas são removidas uma hora antes do lançamento, enquanto que quatro braços móveis proporcionam ligações para o fornecimento de electricidade, gases e fluidos para o lançador. Estes braços são removidos minutos antes do lançamento.

O foguetão lançador é transportado sobre uma plataforma móvel de lançamento desde o edifício de integração vertical para a plataforma de lançamento. A plataforma móvel move-se num sistema de carris separados 20 metros e atinge uma velocidade máxima de 25 metros/minuto. A plataforma tem um comprimento de 24,4 metros, largura de 21,7 metros e uma altura de 8,34 metros, tendo um peso de 750.000 kg. A viagem entre o edifício de montagem e a plataforma de lançamento demora 60 minutos estando afastados 1,5 km.

O primeiro lançamento orbital desde Jiuquan teve lugar a 24 de Abril de 1970 quando um foguetão CZ-1 Chang Zheng-1 colocou em órbita o primeiro satélite artificial da China, o Dong Fang Hong-1 (04382 1970-034A).

Dados Estatísticos e próximos lançamentos

– Lançamento orbital: 5575

– Lançamento orbital com sucesso: 5222

– Lançamento orbital China: 250

– Lançamento orbital China com sucesso: 237

– Lançamento orbital desde Jiuquan: 88

– Lançamento orbital desde Jiuquan com sucesso: 82

Ao se referir a ‘lançamentos com sucesso’ significa um lançamento no qual algo atingiu a órbita terrestre, o que por si só pode não implicar o sucesso do lançamento ou da missão em causa.

2016-061-1

2016-061-2

Dos lançamentos bem sucedidos levados a cabo em 2016: 23,0% foram realizados pela Rússia; 26,2% pelos Estados Unidos (incluindo ULA (50,0%), SpaceX (50,0%) e Orbital SC); 23,0% pela China; 13,1% pela Arianespace; 9,8% pela Índia, 1,6% pelo Japão, 1,6% pela Coreia do Norte e 1,6% por Israel.

Os próximos lançamentos orbitais previstos são (hora UTC):

17 Out (00:03:00) – Antares-230 – MARS Wallops Island, LP-0A – Cygnus OA-5 (CRS5) ‘SS Alan Poindexter’; Lemur-2 (14); Lemur-2 (15); Lemur-2 (16); Lemur-2 (17)

19 Out (08:05:14) – 11A511U-FG Soyuz-FG (R15000-059) – Baikonur, LC1 PU-5 – Soyuz MS-02

?? Out (18:30:00) – Atlas-V/401 (AV-062) – Vandenberg AFB, SLC-3E – WorldView-4, RAVAN, U2U, Aerocube-8C (IMPACT-C). Aerocube-8D (IMPACT-D), Prometheus-2.1, Prometheus-2.2, CELTEE

01 Nov (06:20:00) – H-2A (F-31) – Tanegashima, Yoshinubo LP1 – Himawari-9

03 Nov (10:00:00) – CZ-5 Chang Zheng-5/YZ-2 – Wenchang, LC101 – SJ-17 Shijian-17

Deixe um comentário