China lança Gaofen-6 desde Jiuquan



A China levou a cabo o lançamento de um novo satélite de detecção remota, o GF-6 Gaofen-6 (高分六号). O lançamento teve lugar às 0413:04,336UTC do dia 2 de Junho de 2018 e foi levado a cabo pelo foguetão CZ-2D Chang Zheng-2D (Y20) a partir da Plataforma de Lançamento 94 do Complexo de Lançamento LC43 do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan.

Juntamente com o GF-6 foi lançado o pequeno satélite Luojia-1 (01).

O GF-6 é baseado no modelo de pequenos satélites do CAST (CAST-2000) projectado e construído pela China Spacesat Co., a subsidiária comercial do CAST. Muito similar ao GF-1 Gaofen-1, o GF-6 está equipado com duas asas solares contendo três painéis solares cada uma, o satélite transporta uma câmara CCD pancromática com uma resolução de 2 metros (imagens com uma largura de 90 km), uma câmara multi-espectral com uma resolução de 8 metros e uma câmara multi-espectral de ângulo aberto com uma resolução de 16 metros (imagens com uma largura de 800 km). As câmaras utilizam um telescópio com três espelhos anastigmáticos, diferenciando das câmaras do GF-1. O satélite será capaz de enviar imagens em tempo quase real e em todas as condições de tempo. As imagens servirão para planeamento de agricultura, ajuda em desastres naturais e de origem humana, protecção ambiental e segurança.

O satélite Luojia-1 (珞珈一号01星) é um CubeSat-6U desenvolvido pela Universidade de Wuhan. O satélite é o protótipo de uma futura constelação de 60 a 80 pequenos satélites para a observação da Terra e está equipado com um sistema de imagem com uma resolução de 100 metros.

Em Maio de 2010, a China iniciou oficialmente o desenvolvimento do China High-Resolution Earth Observation System (CHEOS), que foi estabelecido como um dos maiores projectos científicos e tecnológicos. O Earth Observation System and Data Center of China National Space Administration (EOSDC-CNSA) é responsável pela organização do CHEOS.

Em Março de 2010 é estabelecido o Earth Observation System and Data Center que é principalmente responsável pela organização e implementação, bem como da gestão do CHEOS. É também responsável pela aplicação de serviços de observação da Terra, desenvolvimento comercial, consultoria tecnológica e cooperação internacional na área. 

Ao seguir um arranjo de observação integral a partir do espaço, do ar e do solo, o CHEOS desenvolve um sistema espacial, um sistema quase espacial, um sistema aéreo, um sistema no solo e um sistema de aplicação como um todo para assim materializar a observação da Terra em altas resoluções temporais, espaciais e espectrais. Assim, são cumpridas as demandas estratégicas do desenvolvimento económico nacional da China e do seu progresso social.

O plano inicial previa o lançamento de cinco satélites. O GF-1 Gaofen-1 foi baseado na plataforma CAST2000 e está configurado para a obtenção de imagens com uma resolução pancromática de 2 metros e uma resolução multi-espectral de 8 metros, tendo também uma câmara de resolução médio multi-espectral de 16 metros. O satélite permite a integração de imagens com uma resolução espacial média e elevada, com uma grande área de varrimento. O seu tempo de vida é de cinco anos, tendo sido colocado em órbita a 26 de Abril de 2013.

O satélite GF-2 Gaofen-2 é baseado na plataforma CS-L3000A e está equipado com uma câmara com uma resolução pancromática de 1 metro e uma resolução multi-espectral de 4 metros. O seu tempo de vida útil é de cinco anos e foi colocado em órbita a 19 de Agosto de 2014.

O GF-3 Gaofen-3 é baseado na plataforma CS-L3000B e está equipado com um radar SAR multi-polarizado em banda-C com uma resolução inferior a 1 metro. O seu tempo de vida útil é de 8 anos e foi colocado em órbita a 9 de Agosto de 2016, tal como o satélite GF-5 Gaofen-5 que é baseado na plataforma SAST5000B. Este satélite está configurado com cinco cargas de observação, incluindo uma câmara de luz visível e de onda custa hiper-espectral, um sistema de observação espectral, um detector de gases causadores do efeito de estufa, um detector infravermelho de ambiente atmosférico com uma resolução espectral muito elevada, um espectrómetro de absorção diferencial para a detecção de gases atmosféricos e um detector polarizador de multi-ângulo.

O GF-4 Gaofen-4 foi o primeiro satélite Chinês de detecção remota a ser colocado na órbita geostacionária e está equipado com um sistema de observação óptica e infravermelho com um sistema óptico comum. O satélite está estacionário a 105,6º longitude Oeste. A resolução óptica é superior a 50 metros, enquanto que a resolução em infravermelho é superior a 400 metros. O GF-4 pode fornecer imagens com uma área de 7.000 km × 7.000 km com imagens detalhadas com uma área de 400 km x 400 km, e uma capacidade para alta resolução temporal de detecção remota ao nível do minuto. No lançamento, o satélite tinha uma massa de 4.600 kg e deverá estar operacional durante 8 anos. O satélite combina a capacidade de uma resolução temporal extremamente elevada com uma alta resolução espacial, características óptimas que têm várias aplicações tais como monitorização de desastres, observação meteorológica, agricultura, segurança nacional, etc. O seu lançamento teve lugar a 28 de Dezembro de 2015.

Para além destes satélites, a China lançou outros dois satélites na série Gaofen. O satélite GF-8 Gaofen-8 foi colocado em órbita a 26 de Junho de 2015, enquanto que o GF-9 Gaofen-9 foi colocado em órbita a 14 de Setembro de 2015. O GF-8 foi desenvolvido pela China Aerospace Science and Technology Corporation (CASC) e faz parte do um programa civil cujo objectivo é facilitar a observação do clima, proporcionar uma melhor resposta a desastres naturais e humanos, facilitar a precisão no mapeamento de agricultura, planeamento urbano e desenho de redes. O GF-9 é possivelmente uma versão civil do satélite Yaogan Weixing-2 (Jianbing-6), proporcionando imagens com uma resolução óptica inferior a 1 metro que serão utilizadas para o planeamento urbano, desenho de vias de comunicação, determinação do uso de terras, etc.

Três novos satélites da série Gaofen-1 foram lançados a 31 de Março de 2018.

O lançamento do satélite GF-10 Gaofen-10 não foi bem sucedido a 31 de Agosto de 2016.

O satélite GF-5 Gaofen-5 (高分五号) está configurado com seis cargas, incluindo uma câmara hiperespectral VIS and SWIR (Shortwave Infrared), um sistema de observação espectral, um detector de gases de efeito de estufa, um detector ambiental atmosférico de infravermelhos com uma alta resolução espectral, um espectrómetro de absorção diferencial para a detecção de gases atmosféricos e um detector polarizador de multi-ângulos,

O foguetão CZ-2D Chang Zheng-2D

CZ-2DO foguetão lançador chinês CZ-2D Chang Zheng-2D (长征二号丁火箭), fabricado pela Academia de Tecnologia Espacial de Xangai, é um veículo a dois estágios destinado a colocar satélites em órbitas terrestres baixas. O seu primeiro estágio é semelhante ao do foguetão lançador CZ-4 Chang Zheg-4, bem como o seu segundo estágio exceptuando uma secção de equipamento melhorada em relação ao CZ-4.

O Chang Zheng-2D tem a capacidade de colocar uma carga de 3.500 kg numa órbita a uma altitude de 200 km com uma inclinação de 28,0º em relação ao equador terrestre ou uma carga de 1.300 kg para uma órbita sincronizada com o Sol a uma altitude de 645 km. No lançamento desenvolve 2.961,6 kN, tendo uma massa total de 232.250 kg, um comprimento de 41,056 metros e um diâmetro de 3,35 metros.

O CZ-2D é principalmente lançado desde o Complexo de Lançamento LC-43 do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan (áreas LA-2B ‘138’, que se encontra desactivada, e LC43/603), mas pode também ser lançado desde Xichang e Taiyuan.

O primeiro lançamento do CZ-2D teve lugar a 9 de Agosto de 1992 (0800UTC) quando o veículo Y1 colocou em órbita o satélite recuperável FSW-2 (1) (22072 1992-051A).

O CZ-2D Chang Zheng-2D pode utilizar dois tipos de carenagens de protecção distintas dependendo do tipo de carga a colocar em órbita. A carenagem Tipo A tem um diâmetro de 2,90 metros (com esta carenagem o lançador tem um comprimento total de 37,728 metros) e a carenagem Tipo B tem um diâmetro de 3,35 metros (comprimento total de 41,056 metros).
CZ-2D_2014-08

CZ-2D_2014-09

O Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan

O primeiro centro de lançamento de satélites da China é também conhecido como Shuang Cheng Tse. O Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan está localizado a 41º N – 100º E, na região de Jiuquan – região da Mongólia Interior, no Noroeste da China. Desde Jiuquan é possível atingir uma inclinação orbital máxima de 56,0º e uma inclinação orbital mínima de 40,0º.

Foi o primeiro local de testes e lançamento de mísseis e veículos espaciais. O aeroporto de Jiuquan está localizado a 75 km a Sul do local e uma linha de ferro liga-o directamente ao centro espacial. As instalações do complexo dão apoio a todas as fases da campanha de preparação de um lançamento espacial. Inclui o Centro Técnico, o Complexo de Lançamento, o Centro de Controlo de Lançamento, o Centro de Controlo e Comando da Missão, o sistema de abastecimento, os sistemas de detecção e rastreio, os sistemas de comunicações, os sistemas de fornecimento de gás, os sistemas de previsão meteorológica e os sistemas de suporte logístico.

Originalmente o centro espacial de Jiuquan foi utilizado para o lançamento de satélites científicos e recuperáveis para órbitas baixas ou de média altitude com altas inclinações orbitais.

Em 1999 o Centro Sul (LC43) ficou operacional para ser utilizado para o lançamento dos foguetões pesados CZ-2E Chang Zheng-2E e CZ-2F Chang Zheng-2F. O centro é constituído por duas áreas, o Centro Técnico e o Centro de Lançamento. O Centro de Lançamento está localizado a 40º57,4’ N – 100º 17,4’ E com uma elevação de 1.073 metros de altitude. Uma torre umbilical com uma altura de 75 metros está equipada com um elevador à prova de explosões e a plataforma móvel tem um peso de 75.000 kg e tem um comprimento de 24,4 metros, uma largura de 21,7 metros e uma altura de 8,4 metros, movendo-se a uma velocidade máxima de 28 metros por minutos.

O Centro Técnico está localizado a 1,5 km de distância do Centro de Lançamento. O Centro Técnico inclui um edifício de processamento vertical com duas salas de processamento com um comprimento de 26,8 metros, uma largura de 28,0 metros e uma altura de 81,6 metros. Todos os edifícios importantes, incluindo o edifício de processamento vertical e uma área da torre umbilical, são locais com ar condicionado e de classe de limpeza 100,000.

O edifício de processamento vertical, que tem a designação de código 920-520, é o maior edifício de um único andar construído em betão armado. Possui também o telhado de betão armado mais alto (86,1 metros) e mais pesado (13.000 t) do mundo.

O centro de Jiuquan possui três áreas de lançamento:

  • Área de Lançamento n.º 2 (LC2): está localizada a uma latitude de 41,3100º N e a uma longitude de 100,3050º E. Possui duas plataformas de lançamento (5020 e 138) e o primeiro lançamento foi aí levado a cabo no dia 26 de Dezembro de 1966, com o último lançamento a ter lugar a 3 de Julho de 1994. No total foram realizados 41 lançamentos utilizando os foguetões CZ-1 Chang Zheng-1, CZ-2A Chang Zheng-2A, CZ-2C Chang Zheng-2C (plataforma localizada a uma latitude de 41,118º N e a uma longitude de 100,316º E), CZ-2D Chang Zheng-2D, DF-3 Dong Feng-3, DF-5 Dong Feng-5 e FB-1 Feng Bao-1.
  • Área de Lançamento nº 3 (LC3): está localizada a uma latitude de 41,1000º N e a uma longitude de 100,7800º E. Possui uma única plataforma de lançamento e o primeiro lançamento foi aí levado a cabo no dia 1 de Setembro de 1960, com o último lançamento a ter lugar a 27 de Outubro de 1966. No total foram realizados 9 lançamentos utilizando os foguetões DF-1 Dong Feng-1, DF-2 Dong Feng-2, DF-2A Dong Feng-2A e R-2.
  • Complexo de Lançamento Sul (LC43): está localizada a uma latitude de 40,9581º N e a uma longitude de 100,2912º E, perto da cidade de Huxi Xincun. Possui duas plataformas de lançamento (Plataforma 603 para voos não tripulados e a Plataforma 921 para voos ligados ao programa espacial tripulado). O primeiro lançamento desde este complexo foi levado a cabo no dia 19 de Novembro de 1999.

A construção do complexo foi iniciada em Junho de 1956, com a construção das vias-férreas até ao local de ensaio de mísseis. O primeiro lançamento chinês de um míssil soviético R-2 deu-se em Setembro de 1960, com o míssil a atingir uma altitude de 100 km. O primeiro lançamento de um míssil R-2 construído pela China (modelo 1059) deu-se a 5 de Novembro de 1960.

A 21 de Março de 1962 teve lugar a primeira tentativa de lançamento do míssil DF-2 Dong Feng-2 que resultou num fracasso devido à fraca potência originada pelo motor. O primeiro teste com sucesso teve lugar a 29 de Junho de 1964. No dia 27 de Outubro de 1966 foi levado a cabo o lançamento de um míssil DF-2 Dong Feng-2 equipado com uma ogiva nuclear de 20 kt. O míssil executou um voo de 800 km detonando a sua carga na zona de testes nucleares de Lop Nor. O primeiro voo com sucesso do míssil DF-3 Dong Feng-3 tem lugar a 26 de Dezembro de 1966. Em 10 de Janeiro de 1970 é levado a cabo o primeiro teste suborbital do foguetão CZ-1 Chang Zheng-1 e a 10 de Agosto de 1972 é levado a cabo o primeiro teste do foguetão FB-1 Feng Bao-1 que atinge uma altitude de 200 km num voo suborbital.

A 18 de Maio de 1980 é levado a cabo o lançamento de um míssil DF-5 Dong Feng-5 que percorrer o máximo possível da sua trajectória desde Jiuquan até ao Sul do Oceano Pacífico num total de mais de 10.000 km. A cápsula de reentrada é recuperada pela Marinha Chinesa e alguns analistas norte-americanos acreditam que a cápsula foi o teste de um protótipo de um veículo tripulado.

O centro inclui um Centro Técnico, dois complexos de lançamento, um Centro de Comando e Controlo, um Centro de Controlo de Lançamento, sistemas de abastecimento, sistemas de previsão meteorológica, e sistemas de suporte logístico. Jiuquan foi originalmente utilizado para o lançamento de satélites científicos e de satélites recuperáveis para órbitas terrestres baixas ou de média altitude com altas inclinações.

O programa espacial tripulado utiliza a Plataforma de Lançamento 921 situada no Complexo de Lançamento Sul. Este foi construído na segunda metade dos anos 90 e mais tarde foi-lhe acrescentada a Plataforma de Lançamento 603 para lançamentos não tripulados.

Para além das plataformas de lançamento, o complexo de lançamento está dotado de um centro técnico onde decorrem os preparativos do foguetão lançador e das suas cargas. O Centro Técnico é composto de instalações de processamento e de montagem vertical do lançador, edifícios de processamento de cargas, edifício de processamento dos propulsores sólidos, edifício de armazenamento de propolentes hipergólicos e o centro de controlo de lançamento.

O complexo está equipado com um centro computacional melhorado, sistemas de monitorização e comando, e uma capacidade aumentada para se adaptar às alterações nas condições das missões, bem como os recursos necessários para lidar com as tarefas do lançamento e de comando. Um sistema integrado de treino para os lançamentos espaciais foi também desenvolvido para esta missão. Os engenheiros também levaram a cabo uma verificação técnica intensiva de dois meses no equipamento entre Março e Maio de 2011. A segurança e a fiabilidade dos instrumentos foram significativamente melhoradas. Os lançamentos orbitais desde Jiuquan são supervisionados desde o Centro de Comando e Controlo situada na cidade espacial de Dongfeng, 60 km a sudoeste do centro de lançamento.

A torre umbilical do complexo 921 é composta por uma estrutura fixa e um par de seis plataformas rotativas. Uma vez chagado à plataforma de lançamento, as plataformas rotativas são colocadas em torno do foguetão para permitir o seu abastecimento e para que os técnicos tenham acesso às suas diferentes zonas para realizarem os procedimentos finais de verificação. A torre umbilical também contém uma área protegida e de ambiente controlado para permitir o acesso dos taikonautas ao interior dos veículos. As plataformas rotativas são removidas uma hora antes do lançamento, enquanto que quatro braços móveis proporcionam ligações para o fornecimento de electricidade, gases e fluidos para o lançador. Estes braços são removidos minutos antes do lançamento.

O foguetão lançador é transportado sobre uma plataforma móvel de lançamento desde o edifício de integração vertical para a plataforma de lançamento. A plataforma móvel move-se num sistema de carris separados 20 metros e atinge uma velocidade máxima de 25 metros/minuto. A plataforma tem um comprimento de 24,4 metros, largura de 21,7 metros e uma altura de 8,34 metros, tendo um peso de 750.000 kg. A viagem entre o edifício de montagem e a plataforma de lançamento demora 60 minutos estando afastados 1,5 km.

O primeiro lançamento orbital desde Jiuquan teve lugar a 24 de Abril de 1970 quando um foguetão CZ-1 Chang Zheng-1 colocou em órbita o primeiro satélite artificial da China, o Dongfanghong-1 (04382 1970-034A).

Dados estatísticos e próximos lançamentos

– Lançamento orbital: 5749

– Lançamento orbital China: 291 (5,06%)

– Lançamento orbital desde Jiuquan: 104 (1,81%)

Os próximos lançamentos orbitais previstos são (hora UTC):

04 Jun (0429:00) – Falcon-9 (1040.2) – Cabo Canaveral AFS, SLC-40 – SES-12

05 Jun (1310:00) – CZ-3A Chang Zheng-3A (Y25) – Xichang, LC2 – FY-2H Fengyun-2H

06 Jun (1112:41) – 11A511U-FG Soyuz-FG (U15000-084) – Baikonur, LC1 PU-5 – Soyuz MS-09

11 Jun (0400:00) – H-2A/202 (F39) – Tanegashima, Yoshinubo LP1 – IGS Radar-6

14 Jun (1406:00) – L-1011 “Stargazer”/Pegasus-XL – Kwajalein – ICON

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.