Atlantis lançado para a sua última missão espacial



O vaivém espacial Atlantis foi lançado às 1820:09UTC do dia 14 de Maio de 2010 na sua 32ª e última missão espacial tendo por destino a estação espacial internacional ISS.

Esta é uma missão que incluí três actividades extraveículares para instalar um novo módulo russo á estação espacial internacional, além de uma antena de banda Ku suplente e seis baterias para um dos painéis solares do posto orbital. A bordo do Atlantis serão também transportados mantimentos e equipamentos para a tripulação permanente da ISS.

A tripulação da missão STS-132 é composta pelos astronautas veteranos Kenneth Todd Ham (Comandante – 2), Dominic Anthony Antonelli (Piloto – 2), Michael Timothy Good (Especialista de Missão – 2), Piers John Sellers (Especialista de Missão – 3), Stephen Gerard Bowen (Especialista de Missão – 2) e Garrett Erin Reisman (Especialista de Missão – 2).

O Comandante Kenneth Todd Ham é Capitão na Marinha dos Estados Unidos.

Como Comandante do Atlantis terá a responsabilidade pela segurança e execução da missão e irá estar atento á sua tripulação e garantir que os objectivos da missão sejam cumpridos. Ham irá dirigir o Atlantis durante durante as manobras de aproximação e acoplagem com a ISS e durante o seu regresso à Terra.

Antes de ser seleccionado para a NASA em 1998, Ham foi temporariamente designado para os escritórios de gravidade zero do Centro Espacial Johnson na Base Aérea de Ellington, Houston, onde voou como membro das tripulações dos aviões de pesquisa de gravidade zero da NASA.

Em 2008 serviu como Piloto da missão STS-124 que transportou uma parte do módulo japonês Kibo para a ISS. Passou mais de 13 dias no espaço e acumulou mais de 5.000 horas de voo em mais de 40 tipos diferentes de aviões.

Dominic Anthony Antonelli, o PIloto do Atlantis, é Comandante na Marinha dos Estados Unidos e irá apoiar O Comandante Kenneth Ham nas manobras de encontro, acoplagem e aterragem do Atlantis, além de dirigir o Atlantis durante as manobras que serão levadas a cabo na separação entre o vaivém e a ISS.

Esta é a segunda missão espacial de Antonelli. Seleccionada pela NASA em 2000, Antonelli acumulou mais de 3.600 horas de voo em 41 tipos distintos de aviões.

Serviu como Piloto na missão STS-119 em 2009 que transportou o S6 Integrated Truss Segment e o último par de painéis solares para a ISS.

Garrett Erin Reisman tem um douturamento em Engenharia Mecânica e é p Especialista de Missão n.º 1 nesta missão. Após o seu treino de candidato a astronauta em 1998, levou a cabo trabalhos na secção de robótica do Corpo de Astronautas trabalhando primariamente com o braço robot da ISS e mais tarde servindo na secção de veículos avançados, trabalhando em écrans e listas de verificação que seriam utilizadas com o cockpit da próxima geração no vaivém espacial. Em 2003 foi membro da tripulação na missão NEEMO V, vivendo no fundo do mar no interior do Aquarius durante duas semanas.

Em 2008, Reisman levou a cabo o seu primeiro voo espacial passando mais de três meses a bordo da ISS e acumulando mais de sete horas de tempo em actividade extraveícular. Foi lançado com a tripulação da missão STS-123 e regressou a bordo da missão STS-124, servindo como memnbro das Expedições 16 e 17.

Michael Timothy Good é um Coronel da Força Aérea dos Estados Unidos que faz a sua segunda missão espacial.

Após ser seleccionado pela NASA em 2000, Good foi designado para trabalhos técnicos no ramo de veículos avançados e para o ramo do vaivém espacial do Corpo de Astronautas. Em 2009 serviu como membro da tripulação da missão STS-125 que foi a última missão de manutenção do telescópio espacial Hubble, passando mais de 13 dias no espaço e acumulando cerca de 16 horas de tempo em actividade extraveícular.

Stephen Gerard Bowen, Capitão na Marinha dos Estados Unidos, foi o primeiro oficial de submarinos a ser seleccionado pela NASA.

Após finalizar o seu treino de astronauta foi inicialmente designado para tarefas técnicas no ramo de operações da estação espacial do Corpo de Astronautas.

A sua primeira missão espacial foi realizada na missão STS-126 em 2008 na qual passou mais de 15 dias no espaço e acumulou mais de 19 horas de tempo em tr~es actividades extraveículares.

Piers John Sellers é o Especialista de Missão n.º 4 e esta é a sua terceira missão espacial tendo anteriormente participado nas missões STS-112, em 2002, e 121, em 2006.

Seleccionado para astronauta em 1996, Sellers foi inicialmente designado para tarefas técnicas no ramo de apoio informático do Corpo de Astronautas, e depois transferiu-se para o ramo de operações da estação espacial. Durante este tempo trabalhou em Moscovo como ligação entre a duas agências.

Acumulou mais de 559 horas de voo espacial e cerca de 41 horas de tempo em actividade extraveícular.

Os astronautas que irão formar equipas de dois membros nas três actividades extraveículares são Stephen Bowen, Michael Good e Garrett Reisman, enquanto que Piers Sellers irá operar o Canadarm2 durante as três saídas para o espaço, assistindo Reisman durante a instalação do módulo de pesquisa MRM-1 Rassvet. O módulo será acoplado à ISS durante o quinto dia da missão. A bordo do Rassvet, com uma massa de 8.056 kg, encontram-se 1.400 kg, de equipamento da NASA e mantimentos. O módulo transporta também uma escotilha experimental e um braço robótico da ESA que será acoplado a outro módulo mais tarde. O novo módulo será acoplado ao porto de fixação do módulo Zarya que está voltado para a Terra e irá assim aumentar o volume pressurizado da ISS que é utilizado para investigação e armazenagem, proporcionando também um espaço necessário entre o módulo de acoplagem frontal russo e um novo módulo de armazenamento norte-americano que será acoplado á ISS no final do ano.

O sistema de acoplagem do novo módulo é identico aos sistemas de acoplagem que são utilizados pelos veículos Progress M e Soyuz TMA. A acoplagem destes veículos é feita com uma força mais elevada do que a que é originada na acoplagem dos veículos da NASA. O braço robot da ISS não é capaz de superar essa força, mas ao se proceder a uma centragem precisa dos mecanismos de acoplagem os engenheiros pensam que são capazes de proceder á junção dos veículos. De salientar que o MRM-1 foi desenhado para, tal como a maioria dos módulos russos, ser lançado de forma individual e de proceder a uma acoplagem automática.

A primeira actividade extraveícular será levada a cabo pelos astronautas Stephen Bowen (EV-1 envergando um fato extraveícular com listas vermelhas) e Garrett Reisman (EV-2). Logo após sairem da escotilha, os dois homens irão dirigir-se a um contentor de carga localizado no exterior e proceder á montagem de fixadores (um no próprio contentor e outro no Canadarm2). O bastão com um comprimento de 2,5 metros que irá servir para fixar a antena suplente será removido do contentor e Reisman, na extremidade do Canadarm2, irá transportá-lo para a estrutura Z1 no topo do módulo Unity. O bastão será então fixado com dois parafusos e enquanto Bowen procede a ligações eléctricas, Reisman irá mais uma vez ser deslocado na extremidade do Canadarm2 de volta ao contentor de carga para ir buscar a antena que tem um diâmetro de 1,8 metros. Reisman fará de novo a viagem até ao topo do Z1 onde Bowen irá auxilia-lo a colocar a antena em posição antes de introduzir quatro parafusos para a segurar no seu lugar, além de proceder à ligação de dois cabos eléctricos.

Após procederem á instalação de um isolador na base da antena, Reisman será transportado de volta ao contentor para ir buscar uma plataforma de armazenamento de equipamento que será fixada ao sistema de manipulação SPDM (Special Purpose Dextrous Manipulator), a extensão do Canadarm2. Esta plataforma será utilizada para segurar de forma temporaria alguns componentes que serão substituídos.

Logo após colocarem a plataforma no seu lugar, os astronautas irão levar a cabo tarefas de adiantamento caso o tempo disponível o permita, preparando assim a próxima saída para o espaço.

Finalizada a primeira actividade extraveícular, a tripulação do Atlantis e da ISS irá se concentrar nas actividades para a acoplagem do Rassvets que será um dos procedimentos de acoplagem mais complexos alguma vez levados a cabo na ISS.

 

A acoplagem do Rassvets irá levada a cabo a uma velocidade muito mais baixa do que é normal por parte dos veículos russos. Por outro lado, o envio de comandos para a parte activa do mecanismo de acoplagem será encaminhado a partir do segmento norte-americano da ISS para um computador central russo e depois através de uma ligação ethernet para o braço robot Canadarm2. Os sinais serão então encaminhados através do braço ao longo de um dispositivo eléctrico na fuselagem do novo módulo para um computador interno. O braço robot será operado por Reisman e Sellers a partir do novo posto de controlo na Cupola recentemente instalada na ISS. A Cupola irá permitir uma visão directa do módulo e do local onde será acoplado.

Caso não seja possível acoplar o Rassvets, este será trazido de volta para a Terra pelo Atlantis.

No sexto dia da missão será levada a cabo a segunda saída para o exterior da ISS. Nela irão participar Stephen Bowen e Michael Good (EV-3). Esta segunda saída para o espaço está destinada à substituição das baterias no painel solar P6. Good será responsável pela remoção das baterias do P6 e pela instalação das baterias substitutas, enquanto que Bowen irá proceder ao seu transporte de e para o contentor onde foram transportadas no Atlantis.

A terceira actividade extraveícular está também destinada à substituição das baterias no P6. A sua duração irá depender da forma como os trabalhos de substituição serão levados a cabo na segunda saída para o espaço.

O vaivém espacial Atlantis deverá regressar á Terra a 26 de maio com uma aterragem no Centro Espacial Kennedy.

O contrato de construção do vaivém espacial OV-104 foi atribuído à Rockwell Internactional a 29 de Janeiro de 1979 e a construção do módulo da tripulação foi iniciado a 30 de Março de 1980. A construção da fuselagem teve início a 23 de Novembro de 1981, já depis do voo inaugular do vaivém espacial OV-102 Columbia a 12 de Abril desse ano.

A 13 de Junho de 1983 as duas asas, construídas pela Grumma, chegam às instalações da Rockwell International em Palmdale, Califórnia, e a 2 de Dezembro desse mesmo ano é iniciada a montagem final do veículo.

O veículo OV-104 recebe a designação de Atlantis em honra da embarcação com o mesmo nome que pertenceu ao Instituto Oceanográfico Woods Hale entre 1930 e 1966, levando a cabo investigações oceanográficas.

A 10 de Abril de 1984 é finalizada a construção do Atlantis e a 6 de Março de 1985 o veículo é retirado das instalações da empresa construtora, sendo transportado para a Base Aérea de Edwards a 3 de Abril. A 9 de Abril é transportado para o Centro Espacial Kennedy.

A 5 de Setembro de 1985 é levado a cabo o Flight Readiness Firing e a primeira missão do Atlantis tem início a 3 de Outubro. A missão STS-51J foi a segunda missão do Departamente de Defesa dos Estados Unidos.

Entre as missões levadas a cabo pelo Atlantis encontram-se o lançamento das sondas Magellan (STS-30 em 1989) e Galileo (STS-34 em 1989), o Observatório Compton (STS-37 em 1991) e vários voos à estação espacial russa Mir.

Entre os componentes da ISS transportados pelo Atlantis encontram-se o módulo Destiny (STS-98 em 2001), o módulo Quest (STS-104 em 2001) e o módulo europeu Columbus (STS-122 em 2008).

No total, e até Novembro de 2009, o Atlantis levou a cabo 31 missões espaciais.

Imagens: NASA TV / NASA

Deixe um comentário