Astronautas realizam passeio espacial



Z992-350x139

Dois astronautas a bordo da estação espacial internacional realizaram uma actividade extraveícular (AEV) no dia 23 de Abril de 2014 para remover e substituir um módulo computacional exterior que havia avariado. A AEV designada como ‘US EVA-26’ no sistema de numeração da ISS, teve início às 1356UTC e foi finalizada sem qualquer problema 1 hora e 36 minutos mais tarde.

Antecedentes

No dia 11 de Abril um computador de controlo externo, conhecido como Multiplexer/Demultiplexer (MDM) sofreu uma avaria.

Um MDM é essencialmente uma unidade electrónica que envia e recebe múltiplos fluxos de dados, e assim todos os dados recebidos e enviados a partir da ISS são encaminhados para os seus destinos através de um MDM.

Especificamente, neste caso foi o MDM EXT-2 que sofreu a avaria, que é um Tier 2 (Local) MDM responsável pelo controlo de sistemas específicos e pelo processamento de múltiplos sistemas externos, incluindo o Mobile Transporter (MT), Thermal Radiator Rotary Joint (TRRJ), Secondary Electrical Power System (SEPS), Passive Thermal Control System (PTCS), e o Solar Alpha Rotary Joint (SARJ).

Z33O EXT-2 é um de dois EXT MDM no S0 Truss, sendo o outro o MDM EXT-1, que é o EXT MDM primário. Assim, o EXT-2 MDM é somente o dispositivo suplente do sistema EXT MDM, e assim a sua avaria não significou qualquer perda de capacidade por parte da ISS. Porém, tal situação representa uma perda de redundância no caso de avaria do MDM EXT-1.

O MDM EXT-2 está localizado no S0 Truss e em termos físicos é basicamente uma caixa metálica com espaço interior para 16 painéis de circuitos (sendo assim conhecida por 16 MDM), tendo como dimensões 0,27 x 0,38 x 0,42 metros tendo uma massa de 23 kg.

Os MDM são instalados através da utilização de dois suportes no lado direito e posterior, e através de um parafuso central para fixar o dispositivo. As ligações eléctricas e de dados ao MDM são realizadas através de ligações na parte posterior.

Preparativos para a AEV

Ao longo da semana anterior à realização da actividade extraveícular, muitas tarefas foram realizadas para preparar as três unidades Extravehicular Mobility Unit (EMU) – os fatos extraveículares – com os números de série 3005, 3010 e 3011, a bordo da ISS. Todas estes fatos espaciais foram submetidas à reparação da unidade Fan Pump Separator (FPS), tendo sido já testados os sistemas de fluxo de água.

Z96Um completa verificação Return to Service (RTS) dos fatos extraveículares, bem como uma validação da sua utilização por parte dos astronautas, foi levada a cabo. Os astronautas foram também informados sobre os procedimentos e sinais de emergência que poderiam utilizar na eventualidade de um problema durante um passeio espacial. Estes procedimentos e sinais foram desenvolvidos após os problemas registados com o fato extraveícular utilizado pelo astronauta italiano Luca Parmitano na actividade extraveícular US EVA-23 em 2013. O novo fato extraveícular que chegou a bordo do veículo de carga Dragon SpX-3 ainda não foi verificado e como tal não poderia ser utilizado neste passeio espacial.

Em relação ao MDM suplente (que se encontrava armazenado no interior da ISS), foi identificado um problema com o material Chotherm (um material intersticial entre o MDM e a placa de arrefecimento), sendo demasiado fino. Porém, com o veículo Dragon SpX-3 a apenas alguns dias do seu lançamento, a NASA foi capaz de enviar um avião T-38 para recolher algum material do próprio Z36fabricante. Após ter sido transportado para o Cabo Canaveral, o equipamento foi colocado a bordo do veículo de carga e lançado para a ISS.

Adicionalmente, a tripulação também substituiu um circuito no interior do MDM com uma unidade Enhanced Input/Output Control Unit (EIOCU) com um software mais actualizado, e que foi obtido a partir de um Payload (PL) MDM a bordo da ISS. Utilizando o MDM On-Orbit Tester (MOOT), a tripulação preparou o MDM para se iniciar em modo de diagnóstico, que permitiria ao software do EXT MDM ser carregado no PL MDM EIOCU uma vez o MDM instalado e activado. A tripulação também realizou um teste Z3Bfuncional do MDM utilizando o MOOT.

Procedimentos na AEV

A actividade extraveícular foi levada a cabo pelos astronautas Rick Mastracchio, que era designado como EV-2 e que utilizada o fato 3011, e pelo astronauta Steve Swanson, que era designado EV-1 e que utilizava o fato 3005.

este não foi o primeiro passeio espacial para ambos os astronautas que já tinham experiência de outros passeios espaciais. O passeio espacial mais recente realizado por Mastracchio teve lugar em Dezembro de 2013, enquanto que Swanson havia saído para o exterior da ISS durante a missão STS-119 em Março de 2009.

Os procedimentos realizados nesta saída espacial foram bem simples e a actividade estava prevista para ter uma duração de 2 horas e 30 minutos.

Uma vez no exterior do módulo Quest, ambos os astronautas começaram 40 minutos de preparativos para iniciar os trabalhos, incluindo a trasladação para a zona de trabalho no canto Starboard-Nadir do S0 Truss. Uma vez chegados ao local de trabalho, foi iniciada a tarefa de substituir o EXT-2 MDM que deveria durar uma hora, sendo a primeiro Z56tarefa destinada ao astronauta EV-1 para utilizar a sua Pistol Grip Tool (PGT) para desaparafusar parafusos secundários do MDM avariado, com 7 a 14 voltas em cada um deles. O parafuso de fixação central foi também removido, requerendo 32 voltas.

Um dispositivo de fixação designado como ‘scoop‘ foi então ligado ao MDM avariado, sendo então removido da sua localização no S0 Truss. Foi então realizada uma inspecção visual da placa de arrefecimento onde se encontrava o dispositivo bem como das ligações eléctricas e de dados, para se verificar a possível existência de impactos Micro Meteoroid Orbital Debris (MMOD), detritos ou resíduos de material isolador Chotherm.

Z111O MDM suplente foi então instalado utilizando o mesmo procedimento utilizado para remover o MDM avariado – isto é, introduzindo o parafuso central e depois os parafusos secundários.

Nesta altura, o objectivo primário da actividade extraveícular estava finalizado, muito antes do previsto, e os dois homens levaram a cabo tarefas de limpeza e de ingresso, antes de regressarem e de procederem à repressurização da escotilha no módulo Quest e trazendo com eles o MDM avariado que pode ser reparado em órbita ao se substituir os circuitos que falharam.

Somente uma tarefa que era classificada como de avanço para a próxima actividade extraveícular foi realizada pelos dois astronautas que cortaram um cabo que estava a interferir com o acesso robótico à porta Secondary Power Distribution Assembly (SPDA) no topo do S0 Truss. Isto foi finalizado nas instalações realizadas pós-MDM.

Z610O SPDA é uma colecção de circuitos Remote Power Control Module (RPCM) localizados atrás de duas portas que podem ser abertas e fechadas através da acção de dois parafusos, tarefa que pode ser realizada manualmente através de uma PGT ou de forma robótica através do Special Purpose Dextrous Manipulator (SPDM) “Dextre”.

Porém, quando o SPDM tentou mover os parafusos pela primeira vez em Junho de 2013 para substituir e reparar um RPCM, um cabo de segurança estava a causar interferência e assim os dois homens cortaram e removeram o que era desnecessário. Esta foi uma tarefa simples, seguindo-se a abertura e fecho da porta SPDA utilizando o PGT. Este procedimento foi repetido para ambas as portas, com uma delas a necessitar da aplicação de força bruta para ser aberta.

O MDM foi já activado e parece funcionar como previsto.

Artigo original “Astronauts completed speedy EVA to replace failed EXT-2 MDM” de Pete Harding, traduzido e utilizado com autorização.

Deixe um comentário