Astronauta Mario Runco deixa a NASA



A agência espacial Norte-americana, NASA, anunciou a saída do astronauta Mario Runco após quase 48 anos de serviço. A saída é efectiva a 31 de Dezembro de 2017.

Como astronauta Mario Runco, acumulou mais de 551 horas no espaço durante três missões do vaivém espacial, tendo levado a cabo uma actividade extraveícular e ajudou a colocar em órbita quatro satélites. Durante a sua carreira, apoiou mais de uma dezena de missões do vaivém espacial em várias posições antes de adquirir a sua última função como cientista planetário e de ciências da Terra.

Runco ingressou na NASA em 1987 e permaneceu em serviço activo como astronauta até 1994. No seu primeiro voo, Runco serviu na tripulação da missão STS-44 abordo do vaivém espacial Atlantis em 1991, auxiliando a colocar em órbita um satélite para o Defense Support Program. Runco serviu como Especialista de Missão na missão STS-54 abordo do vaivém espacial Endeavour, levando a cabo um passeio espacial de 4,5 horas e ajudando a colocar em órbita um satélite TDRS para a NASA. A missão também transportou o instrumento Diffuse X-Ray Spectrometer, projectado para expandir o conhecimento sobre a evolução estelar, que levou a cabo um varrimento da vizinhança local da Via Láctea para detectar emanações de raios-x de baixa energia que se crêem provenientes de antigas super-novas. Runco também serviu como Especialista de Missão na tripulação da missão STS-77 abordo do Endeavour em 1996 apoiando várias experiências de desenvolvimento tecnológico e de microgravidade, além de ajudar a colocar em órbita dois satélites, um dos quais utilizando o  Space Shuttle Robotic Manipulator System.

No Centro Espacial Johnson, Mario Runco serviu como elo de comunicações (spacecraft communicator – CAPCOM) durante 18 voos do vaivém espacial; auxiliando a projectar, desenvolver e testar o sistema de fuga de emergência para as tripulações do vaivém espacial após o acidente com o vaivém espacial Challenger; e levou a cabo testes e avaliações de software especificamente projectado para cada missão do vaivém espacial no Software Avionics Integration Laboratory (OV-95). No Centro Espacial Kennedy ajudou a preparar os vaivéns espaciais e as suas tripulações para o lançamento.

A última função de Runco foi como cientista planetário e de ciências da Terra no Centro Espacial Johnson, servindo como investigador principal no desenvolvimento de janelas ópticas para veículos espaciais, ajudando na projecção, desenvolvimento e utilização das janelas ópticas da estação espacial internacional e da Window Observational Research Facility.

A biografia completa de Mario Runco (em inglês) pode ser acedida aqui.

Tags:  ,

Deixe um comentário