As órbitas do Integral de 2002-17



O observatório espacial Integral da ESA encontra-se em órbita à Terra há 15 anos, observando o cosmos sempre em mudança, poderoso e violento em raios gama, raios-X e luz visível. Tem estudado estrelas que explodem como supernovas, buracos negros monstruosos e, mais recentemente, até raios gama que foram associados a ondas gravitacionais, a missão Integral continua a ampliar a nossa compreensão do Universo de alta energia.

Esta imagem visualiza as órbitas da nave espacial desde o seu lançamento, a 17 de Outubro de 2002, até Outubro deste ano.

O Integral viaja numa órbita altamente excêntrica. Ao longo do tempo, os pontos mais próximos e mais distantes mudaram, assim como o plano da órbita. A órbita trouxe-o para 2.756 km da Terra no seu ponto mais próximo, no dia 25 de Outubro de 2011, para 159.967 km no ponto mais longe, dois dias depois.

Este tipo de órbita fornece longos períodos de observações ininterruptos, numa base quase constante, longe dos cintos de radiação em torno da Terra que, de outra forma, interfeririam com as medições sensíveis do satélite.

Em 2015, as operadoras espaciais realizaram quatro combustões de propulsão, cuidadosamente projectadas para garantir que a eventual entrada do satélite na atmosfera, em 2029, atenda às directrizes da Agência para minimizar os detritos espaciais. Executar estas manobras de eliminação tão cedo também minimiza o uso de combustível, permitindo que a ESA explore a vida útil do satélite ao máximo.

As mudanças orbitais introduzidas durante estas manobras podem ser observadas nas órbitas de largura espaçada à esquerda da imagem, destacadas em branco nesta versão anotada da imagem.

Notícia e imagem: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  ,

Deixe um comentário