Artimanhas solares



A recente actividade do Sol atraiu o interesse de cientistas e meteorologistas espaciais por todo o mundo, ressaltando a necessidade de observar atentamente a nossa estrela e o seu incrível poder.

Nos dias 6 e 10 de Setembro, o nosso Sol produziu um par de labaredas solares, as mais fortes observadas em mais de 10 anos. Estas foram acompanhadas por enormes erupções de mil milhões de toneladas de matéria no espaço.

Veja o vídeo

Enquanto muitas destas erupções retrocedem à superfície quente, estas duas, em particular, não e tornaram-se ‘ejecções de massa coronal’ (coronal mass ejections – CMEs) – nuvens de partículas atómicas, carregadas electricamente, que escapam do Sol e se expandem para o espaço interplanetário.

Esta nuvem, que contém protões, eletrões e iões pesados, pode ser detetada por sensores nos satélites ao redor do nosso planeta e em sondas no espaço interplanetário.

As labaredas, e as CMEs que as acompanham, explodiram de uma ‘região ativa’ na fotosfera do Sol, que é a superfície que vemos a partir da Terra.

O aparecimento desta região activa, produzindo fortes chamas e várias CMEs, foi muito interessante, após meses de actividade solar muito baixa”, diz Juha-Pekka Luntama, responsável pelo clima espacial no Gabinete de Situação Sensorial Espacial da ESA.

Embora estas erupções sejam muito difíceis de prever, e a região ativa que produziu esses eventos já tenha girado para o lado oposto do Sol, estamos a observar a situação, especialmente quando a região ativa voltar ao nosso campo de visão.”

Primeiro grande evento

Nave espacial SOHO de observação solar da ESA/NASA

A primeira erupção ocorreu a 6 de Setembro e produziu uma tempestade geomagnéctica grave quando atingiu a Terra, na noite de 7 de Setembro. A sua chegada foi detectada por uma série de naves espaciais da ESA e da NASA, que observavam o nosso Sol ou se encontravam em órbita em torno da Terra.

A chegada também deu origem a um aumento das auroras nos dias 7 e 8 de Setembro, visíveis tanto no sul, quanto no norte da Alemanha, na Europa, e no norte dos EUA, na América do Norte.

As labaredas e as CMEs foram acompanhadas por uma inundação de partículas atómicas energéticas do Sol. Estas podem ser detectados por satélites em órbita, mas não ao nível do solo, devido ao efeito de protecção da nossa atmosfera.

Segundo grande evento

A segunda erupção ocorreu a 10 de Setembro (ver o vídeo acima). Isto foi associado a um grande alargamento solar, que também emitiu um forte pulso de raios-X e uma inundação de protões extremamente rápidos, alguns a viajar perto da velocidade da luz.

Esta CME foi mais rápida do que a primeira, mas também se desviou do caminho directo do Sol-Terra e apenas um final da “cauda” atravessou o nosso planeta, a 12 de Setembro.

Este evento causou um forte aumento nas partículas energéticas, com níveis elevados de radiação detectados na superfície da Terra, através de redes de monitorização, e uma tempestade geomagnética moderada foi observada nos dias 12 e 13 de Setembro.

A radiação que chegou antes da segunda CME foi suficiente para fazer com que as câmaras de navegação, em alguns satélites, ficassem temporariamente enceguecidas, e era esperado que interrompessem as comunicações de rádio, temporariamente, a altas latitudes.

Integral, ESA's International Gamma-Ray Astrophysics Laboratory, detects and gathers the most energetic radiation that comes from space
Integral

Num dos casos, o satélite Integral da ESA, um observatório de raios gama em órbita, cuja electrónica de instrumentos é especialmente sensível à radiação, teve que confiar na sua autonomia a bordo para configurar os seus instrumentos para um “modo seguro”, enquanto esperava que os níveis de radiação caíssem.

Os nossos instrumentos foram desligados durante um período de 64 horas, o que infelizmente significou que perdemos algum tempo de observação de alta prioridade”, diz Richard Southworth, director de operações da missão Integral. “Os instrumentos foram reactivados sem sinais de danos.”

Gaia a cartografar as estrelas da Via Láctea

O cartógrafo de estrelas da ESA, Gaia, também experienciou alguns efeitos, embora comparativamente menores.

O telescópio de Gaia experienciou, temporariamente, um número muito alto de detecções de “falsas” estrelas, o que resultou na correspondente geração de dados e algumas pequenas variações na posição da nave espacial”, diz o director de operações, David Milligan.

As detecções falsas podem ser removidas do catálogo de dados e Gaia continua a funcionar muito bem.”

Atentos ao sol

O segundo evento também foi notável porque emanou de uma região activa do Sol que já havia girado através do disco visto a partir da Terra e desapareceu fora do campo de visão pouco tempo depois.

Não temos nenhuma aeronave naquele lado do Sol para observar a actividade actual”, diz Juha-Pekka.    

O que realmente precisamos são mais maneiras de ver o lado do Sol que está a girar para encarar a Terra, o que nos permitirá melhorar as nossas previsões e prognósticos.” 

A ESA já está a definir uma missão futura para o Sol, que melhoraria a nossa capacidade de monitorização e previsão do tempo espacial.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  , , ,

Deixe um comentário