Apoio científico para a formação em voo do observador do Sol Proba-3



O Programa de Ciência da ESA concordou em apoiar a tecnologia de demonstração Proba-3, uma missão de formação em voo de dois satélites, com o propósito de observação de uma região do Sol normalmente escondida.

Com lançamento definido para final de 2020, os dois satélites que compõem o Proba-3 voarão numa separação precisa para lançar uma sombra no espaço, bloqueando o disco do Sol para revelar detalhes da sua “coroa” fantasmagórica – geralmente mascarada pela luz solar ofuscante.

O Proba-3, como todas as missões da série Proba, é, antes de tudo, um demonstrador de tecnologia, explorando técnicas de formação de precisão, de modo que, futuros satélites múltiplos que voem juntos, possam realizar tarefas equivalentes para uma única nave espacial gigante.

Mas, seguindo uma longa tradição Proba, a missão também recebeu um objetivo científico ambicioso: retornar dados cientificamente úteis é uma boa maneira de provar que a tecnologia funciona como planeado.

Os satélites Proba-3 formam um eclipse artificial

Proba-3 oferecerá aos cientistas solares uma janela no segmento interno da coroa solar – uma região misteriosa, porque é mais de um milhão de graus mais quente do que a superfície do Sol que rodeia.

Até agora, a melhor maneira de observar a coroa ocorreu durante um eclipse solar, embora a luz dispersa através da atmosfera da Terra seja um factor limitante.

Como alternativa, os “coronógrafos” movidos pelo espaço criam eclipses artificiais dentro dos satélites de observação do sol, como SOHO e Stereo, mas a luz dispersa ainda se dobra em torno dos seus discos de bloqueio, limitando o acesso à coroa interna mais importante.

Proba-3 irá contornar isso, voando o disco do seu coronógrafo num satélite separado, exatamente a 150 m de distância, alinhado com o Sol. Isto deverá abrir uma nova visão de regiões dinâmicas, extremamente próximas da superfície solar, onde nascem o vento solar e as erupções denominadas “ejeções de massa coronal”. As ejeções de massa coronal são fontes primárias de clima espacial perturbado na Terra.

Coroa solar vista durante os eclipses terrestres

A missão Proba-3 é financiada pela Directoria de Tecnologia, Engenharia e Qualidade da ESA, mas em Junho, o Comité do Programa de Ciência da Agência aprovou a missão de apoio adicional através da Direcção de Ciência.

Era claro que seria muito benéfico ter esta missão apoiada no programa de Ciências”, explica Andrei Zhukov do Observatório Real da Bélgica, actuando como Investigador Principal para o coronógrafo do Proba.

Houve um entusiasmo generalizado na comunidade de física solar. O Comité do Programa de Ciência é assessorado, por sua vez, pelos seus comités consultivos compostos por cientistas de toda a Europa, dando avais independentes, e recomendando que o Proba-3 seja apoiado como uma “missão de oportunidade”.

Em termos simples, o funcionamento do Centro de Operações Científicas do Proba-3, que irá processar e distribuir dados científicos para cientistas em toda a Europa, será financiado pelo programa de Ciência. Este centro será sediado aqui na Bélgica, com contribuições para o modo de processamento de dados feito pela Alemanha, Polónia e Roménia.

Veja o vídeo

Uma explosão solar ardente

Durante cada órbita altamente elíptica de 19,6 horas, o Proba-3 irá obter imagens da coroa durante seis horas de cada vez, a uma taxa típica de uma imagem por minuto, embora possamos aumentar essa taxa uma vez a cada dois segundos para fenómenos de especial interesse.

Assim, iremos retornar muitos dados únicos, aumentando o conhecimento científico do Sol e da sua coroa circundante.”

O desenvolvimento do projecto Proba-3 continua a progredir bem, com uma versão estrutural e térmica do modelo do coronógrafo construída, antes da sua revisão crítica de projecto, que ocorrerá neste outono, seguida da revisão de toda a missão.

O desafio é manter os satélites controlados com segurança e posicionados correctamente em relação um ao outro. Isto será realizado usando várias novas tecnologias, incluindo programas informáticos de formação de voo personalizados, informações de GPS, ligações entre satélites, rastreadores de estrelas, sensores visuais ópticos e metrologias ópticas para manobras de aproximação.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  ,

Deixe um comentário