Antártida sobe nível do mar

Num grande esforço de colaboração, cientistas de todo o mundo utilizaram informações de satélites para revelar que a liquefação do gelo na Antártida não só elevou o nível do mar em 7,6 mm desde 1992, mas, criticamente, quase metade desse aumento ocorreu nos últimos cinco anos.

Veja o vídeo


Andrew Shepherd, da Universidade de Leeds, no Reino Unido, e Erik Ivins, do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da NASA, lideraram um grupo de 84 cientistas de 44 organizações internacionais, em pesquisas que resultaram no quadro mais completo de como a camada de gelo da Antártida está a mudar.

A sua pesquisa, publicada na Nature, revela que, antes de 2012, quando o último desses estudos foi realizado, a Antártida estava a perder 76 mil milhões de toneladas de gelo por ano. Isto estava a causar o aumento do nível do mar a uma taxa de 0,2 mm por ano.

Desde então, no entanto, a Antártida tem vindo a perder gelo três vezes mais rápido.

Entre 2012 e 2017, a Antártida perdeu 219 mil milhões de toneladas de gelo por ano, elevando o nível do mar em 0,6 mm por ano.

Esta informação é fundamental para entender como a mudança climática está a afetar a parte mais remota do planeta, e como isto tem consequências para o resto do mundo.

O Prof. Shepherd disse: “Há muito tempo que suspeitamos que as mudanças no clima da Terra afetarão as camadas de gelo polar. Graças aos satélites que as nossas agências espaciais lançaram, podemos agora seguir, com confiança, as suas perdas de gelo e a contribuição global no nível do mar.

De acordo com a nossa análise, houve um aumento nas perdas de gelo da Antártida durante a última década, e o continente está a fazer com que o nível do mar suba mais rápido hoje, do que em qualquer outro período nos últimos 25 anos.

Isso tem de ser uma preocupação para os governos em que confiamos, para proteger as nossas cidades e as comunidades costeiras.”

Embora tenham sido utilizadas várias missões de satélites nesta avaliação, a missão CryoSat e Copernicus Sentinel-1 da ESA foram particularmente úteis.

Transportando um altímetro de radar, o CryoSat está projectado para medir alterações na altura do gelo que, por sua vez, são usadas para calcular mudanças no volume do gelo. Está também especialmente projectado para medir mudanças em torno das margens das camadas de gelo, onde o gelo se desprende como icebergues.

A missão de radar de dois satélites Sentinel-1, que é usada para monitorizar o movimento do gelo, pode obter imagens da Terra, independentemente do tempo ou do dia ou da noite – o que é essencial durante os Invernos escuros polares.

O Director de Programas de Observação da Terra da ESA, Josef Aschbacher, acrescentou: “O CryoSat e o Sentinel-1 estão a dar um contributo essencial para compreender como as camadas de gelo respondem às alterações climáticas e afectam o nível do mar, o que é uma grande preocupação.

Embora estes resultados impressionantes demonstrem o nosso compromisso com a pesquisa climática por meio de iniciativas, como a Iniciativa de Mudança Climática e actividades de exploração de dados científicos, também mostram o que pode ser alcançado trabalhando em conjunto com os nossos colegas da NASA.

Olhando para o futuro, no entanto, é importante que tenhamos satélites para continuar a medir o gelo da Terra, de modo a manter o registo de dados climáticos da camada de gelo.”

O triplo aumento na perda de gelo do continente como um todo deve-se, em parte, aos glaciares que fluem mais rápido na Antártica Ocidental e na Península Antártica.

A Antártica Ocidental sofreu a maior perda de gelo, passando de uma perda de 53 mil milhões de toneladas por ano, na década de 1990, para 159 mil milhões de toneladas por ano desde 2012. A maior parte deve-se ao glaciar Pine Island e ao glaciar Thwaites, os quais estão a recuar rapidamente, devido à água do mar mais quente debaixo das suas placas flutuantes.

Eric Rignot, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, acrescentou: “As medições colectadas ao longo dos anos pelos satélites de radar e o Landsat, documentaram mudanças glaciais em torno da Antártida com um incrível nível de precisão, de modo que agora temos uma compreensão muito detalhada e completa das rápidas mudanças no fluxo de gelo que ocorre na Antártida e como estas elevam o nível do mar em todo o mundo.”

Notícia e image: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

 

%d blogueiros gostam disto: