Antártida perde aderência



A missão CryoSat da ESA revelou que, nos últimos sete anos, a Antártida perdeu uma área de gelo subaquático do tamanho da Grande Londres. Isto ocorre porque a água quente do oceano, sob as margens flutuantes do continente, está a corroer o gelo preso ao fundo do mar.

A maioria dos glaciares antárticos fluem directamente para o oceano em vales submarinos profundos. O lugar onde a sua base deixa o leito do mar e começa a flutuar é conhecido como linha de fundamentação.

Estas linhas de fundamentação, normalmente, ficam a um quilómetro ou mais abaixo do nível do mar e são inacessíveis até mesmo para submersíveis, portanto, métodos remotos para detectá-las são extremamente valiosos.

Um artigo publicado hoje na Nature Geoscience descreve como o CryoSat foi usado para mapear o movimento da linha de fundamentação, ao longo de 16.000 km da costa antártica.

A pesquisa conduzida por Hannes Konrad, do Centro de Observação Polar e Modelagem da Universidade de Leeds, no Reino Unido, mostra que, entre 2010 e 2017, o Oceano Antártico derreteu 1463 quilómetros quadrados de gelo subaquático.

A equipa monitorizou o movimento da linha de fundamentação da Antártida, graças ao CryoSat, e produziu o primeiro mapa completo que mostra como essa borda submarina está a perder a aderência ao fundo do mar.

Linha de fundamentação

As maiores alterações são observadas na Antártida Ocidental, onde mais de um quinto da camada de gelo recuou no fundo do mar de forma mais rápida do que o ritmo da deglaciação, desde a última era glacial.

O Dr. Konrad disse: “O nosso estudo fornece evidências claras de que o recuo está a acontecer ao longo do manto de gelo devido à liquefação do oceano na sua base, e não apenas nos poucos pontos que já foram cartografados antes.

Este recuo teve um enorme impacto sobre os glaciares do interior, uma vez que libertá-los do leito marinho remove a fricção, fazendo com que acelerem e contribuam para o aumento global do nível do mar.”

Embora o CryoSat esteja projectado para medir alterações na elevação da camada de gelo, estas podem ser traduzidas em movimento horizontal na linha de fundamentação, utilizando o princípio de Arquimedes e o conhecimento da geometria do glaciar e do fundo do mar.

Os investigadores também encontraram algum comportamento inesperado.

Efeito de linha de fundamentação na superfície

Embora a retirada do Glaciar Thwaites na Antártida Ocidental tenha acelerado, no glaciar vizinho de Pine Island – até recentemente um dos que mais recuou no continente – parou. Isto sugere que o derretimento do oceano na sua base foi interrompido.

O Dr. Konrad acrescentou: “Estas diferenças enfatizam a natureza complexa da instabilidade da camada de gelo em todo o continente, e a capacidade de detectá-las ajuda-nos a identificar áreas que merecem investigação adicional.”

O coautor Andy Shepherd disse: “Ficámos encantados com a forma como o CryoSat é capaz de detectar o movimento das linhas de fundamentação da Antártida.

Estes são lugares impossíveis de aceder de baixo, por isso é uma ilustração fantástica do valor das medições por satélite para identificar e compreender a mudança ambiental.”

O director da missão CryoSat da ESA, Tommaso Parrinello, acrescentou: “Embora o CryoSat esteja agora no seu oitavo ano em órbita – mais do que o dobro da sua vida útil – é maravilhoso ver que a missão ainda está a realizar medições da mais alta qualidade e que possibilita novas descobertas na ciência polar.”

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  ,

Deixe um comentário