Alan Shepard, 50 anos na História



O mundo já tinha sido espantado por mais um feito espectacular por parte da União Soviética a 12 de Abril de 1961 ao colocar Yuri A. Gagarin em órbita a bordo da Vostok-1. Correndo agora para o segundo lugar, os Estados Unidos preparavam o lançamento da sua primeira missão espacial tripulada.

O principal objectivo científico do Projecto Mercury era o de determinar as capacidades do ser humano num ambiente de voo espacial e através das condições que teria de suportar para atingir o espaço exterior. Alguns dos problemas a resolver incluiam o desenvolvimento de um sistema automático de emergência, o problema do controlo do veículo durante a inserção orbital, o comportamento dos sistemas a bordo em órbita, a avaliação das capacidades dos astronautas no espaço, a monitorização durante o voo, a retrotravagem e manobras de reentrada e os procedimentos de amaragem e recuperação.

O plano inicial do projecto Mercury previa o lançamento de sete missões suborbitais tripuladas antes de passar à fase seguinte: o voo orbital tripulado. Porém, e com o sucesso do voo de Gagarin, a NASA decidiu cancelar os voos suborbitais após a missão da Liberty Bell-7.

O primeiro voo tripulado do projecto teve lugar a 5 de Maio de 1961. A contagem decrescente para o lançamento da MR-3 (Mercury Redstone-3) teve início a 4 de Maio (após uma tentativa falhada em finais de Abril devido ao mau tempo). A contagem decrescente foi devidida em duas partes porque a experiência anterior havia mostrado que era preferivel correr a contagem decrescente em dois segmentos mais curtos e permitir assim às equipas de controlo da cápsula espacial e do lançador descansarem entes de se iniciar as operações finais.

A contagem decrescente começou às 1330UTC do dia 4 de Maio. Todas as operações decorreram sem problemas e foram finalizadas antes do previsto. Uma paragem na contagem decrescente foi decretada a T-6 h 30 m, e durante este tempo os vários dispositivos pirotécnicos foram colocados no veículo procedendo-se também à preparação do sistema de peróxido de hidrogénio.

A contagem decrescente foi retomada às 0430UTC do dia 5 de Maio. Uma nova paragem de uma hora foi decidida previamente para ocorrer a T-2 h 20 m e serviu para garantir que os preparativos da cápsula espacial haviam sido finalizados antes do transporte do astronauta para a plataforma de lançamento LC-5 do Cabo Canaveral. A contagem decrescente proseguir com pequenos atrasos até T-2 h 20 m. Nesta altura, foram levados a cabo os preparativos finais da cápsula espacial e o astronauta foi transportado para a plataforma de lançamento. A contagem decrescente prosseguiu até T-15 m, mas nesta altura os técnicos aperceberam-se que a cobertura fotográfica do lançamento e do voo não seria possível devido à presença de nuvens baixas junto da plataforma de lançamento. Os meteorologistas previram que o tempo iria melhorar dentro de 20 a 45 minutos. Durante este tempo, surgiu um problema com um dos conversores de corrente no foguetão Redstone. A contagem decrescente foi reciclada para T-35 m, sendo retomada 85 minutos mais atrde após a resolução do problema.

De novo a T-15 m a contagem decrescente foi suspensa para se executar uma verificação final no computador de controlo da trajectória em tempo real.

 

Devido à prolongada espera no interior da sua cápsula, o astronauta Alan Barlett Shepard a certa altura solicitou autorização para ser retirado para poder ir a uma casa de banho. Como era impossível fazer isto sem adiar o lançamento, o astronauta foi autorizado a urinar no interior do seu fato espacial.

Finalmente, o lançamento acabaria por ter lugar às 1434UTC. O voo decorreria sem qualquer problema e teria uma duração de 15 minutos e 28 segundos, atingindo uma altitude de 187,5 km e viajando 487,6 km, amarando no Oceano Atlântico.

Deixe um comentário