A última missão do Discovery



 

O vaivém espacial OV-103 Discovery partiu para a sua 39ª e última missão espacial com uma tripulação constituída por seis astronautas, todos veteranos de anteriores missões com o vaivém espacial. A sua missão? Transportar o último módulo norte-americano para a ISS, além de peças suplentes e mantimentos.

O lançamento do Discovery teve lugar às 2153UTC do dia 24 de Fevereiro de 2011 a partir do Complexo de Lançamento LC-39A

A tripulação do Discovery é composta pelos astronautas Steven Wayne Lindsey, Comandante que realiza a sua 5ª missão espacial; Eric Allan Boe, Piloto na sua 2ª missão espacial, e pelos Especialistas de Missão Timothy Lennart Kopra, na sua 2ª missão espacial; Benjamin Alvin Drew, Jr., na sua 2ª missão espacial; Michael Reed Barratt, na sua 2ª missão espacial; e Nicole Marie Passanno Stott, na sua 2ª missão espacial.

Quando a missão do Discovery foi originalmente planeada, e tendo em conta o plano inicial da Administração Bush, o voo do Discovery seria o último do programa. No entanto, e com a revisão dos planos da NASA, esta tornou-se numa importante missão logística à qual foram adicionadas duas actividades extraveículares que serão levadas a cabo por Timothy L. Kopra e B. Alvin Drew.

Esta missão irá transportar o PMM Leonardo (Permanent Multi-purpose Module) que foi originalmente construído para servir de contentor de carga de e para a ISS, estando temporariamente acoplado à estação e trazido de volta para a Terra no final da cada missão. Com o final dos voos dos vaivéns espaciais, a NASA decidiu levar a caboalgumas modificações no módulo aumentando a sua protecção contra os detritos orbitais e criando um melhor sistema de iluminação, ventilação e de fornecimento de energia, transformando-o num módulo permanente. O Leonardo tem um comprimento de 6,4 metros, um diâmetro de 4,6 metros, 9.897 kg de pesso, incluindo 2.557 kg de equipamentos e mantimentos. Mais 711 kg de carga encontram-se no porão de carga do Discovery.

Entre o equipamento que é transportado para a ISS encontra-se um módulo de experiências, um controlador de temperatura para o sistema de controlo de temperatura e de húmidade, uma bomba suplente para o sistema de arrefecimento interno da ISS, um grande ventilador, um tanque de armazenamento de água processada, um tanque de águas residuais e um robot experimental designado Robonaut 2. O Robonaut 2 tem uma peso de 136 kg e tem uma forma humanóide, sendo operado de forma remota desde o solo. A sua altura é de 1,2 metros e a sua largura máxima (entre ombros) é de 0,9 metros. O Robonaut 2 é uma experiência para demonstrar as tecnologias que no futuro poderão ser um auxiliar importante para os astronautas em órbita.

O Discovery também transporta no seu porão de carga uma plataforma de armazenamento externa com uma massa de 3.700 kg que transporta um conjunto de radiadores armazenados que servirão de suplentes caso surja algum problema com o sistema de arrefecimento externo da ISS. A estação espacial possuí dois sistemas de arrefecimento independentes no qual circula amoníaco através de grandes radiadores para dissipar o calor gerado pelos sistemas electrónicos da ISS. Os novos painéis suplentes têm um peso de 1.123 kg e estão montados num sistema de suporte experior denominado ELC-4. Os astronautas Timothy Kopra e Nicole Stott irão operar o Canadarm2 para retirar o ELC-2 do porão de carga do Discovery algumas horas após a acoplagem. O ELC-2 será entregue a Eric Boe que estará a operar o Canadarm do Discovery. O Canadram2 será então reposicionado e agarrará de novo o ELC-2 que será colocado no lado direito da estrutura de fornecimento de energia da ISS. No dia seguinte Michael Barratt e Nocole Stott usarão o Canadarm2 para retirar o mastro de inspecção do escudo térmico do vaivém do porão de carga do Fiscovery antes de o entregar ao Canadarm onde permanecerá para uma utilização futura durante a missão. Entretanto, no interior da ISS os astronautas irão iniciar os trabalhos de reparação de um dos sistemas de remoção de dióxido de carbono da secção norte-americana da ISS.

Timothy Kopra e Allan Drew irão terminar o dia entrando no módulo Quest onde passarão a noite a uma pressão reduzida de 10,2 psi. Isto é levado a cabo para auxiliar na purga de azoto da corrente sanguínea dos dois homens antes da realização das actividades extraveículares que utilizam os fatos espaciais da NASA com uma pressão de 5 psi.

A primeira axrividade extraveícular, ou passeio espacial, da missão terá como objectivo a instalação de um cabo com um comprimento de 3 metros entre o Quest e o módulo Harmony, passando pelo exterior do módulo Unity. Este cabo eléctrico, que poderá ser necessário no futuro caso o Harmony tenha de ser separado para reparações, não pode ser instalado após a acoplagem do módulo PMM Leonardo no porto de fixação do módulo Unity voltado para a Terra.

Após a instalação do cabo eléctrico, os dois astronautas irão recolher ummódulo de bombagem de amoníaco que está avariado e que foi deixado num local de armazenamento temporario no sistema móvel do Canadarm2 no mês de Agosto de 2010. Após colocarem o módulo numa plataforma de armazenamento, Drew irá instalar uma conduta de ventilação que será utilizada na segunda actividade extraveícular para «despejar» 4,5 kg de amoníaco residual.

Após estes dois trabalhos, os dois astronautas deverão levar a cabo uma série de trabalhos no exterior ajustando uma placa de isolamento na parte superior da estrutura Z1, fixando um poste de ferramentas e movendo uma câmara para não interferir com o ELC-4. Mesmo antes de terminar a saída para o espaço os dois homens irão abrir um contentor japonês para o «encher» com o vácuo espacial num projecto denominado "Mensagem numa Garrafa". 

No dia seguinte, Kopra e Barratt irão operar o Canadarm2 desde a Cupola para retirar o PMM do porão de carga do Discovery e acopla-lo no módulo Unity. Na tarde desse dia será levada a cabo uma inspecção do escudo térmico do vaivém espacial caso sejam registados problemas durante o dia do lançamento ou durante a aproximação à ISS. No final desse dia Kopra e Drew voltarão a dormir no módulo Quest.

A segunda actividade extraveícular tem como objectivo proceder-se à descarga do amoníaco residual  que se encontra no módulo de bombagem avariado, proceder à recolha de uma experiência europeia que se encontra no exterior do móduo Columbus, proceder à instalação de protecções em lentes de câmaras exteriores que possam ser contaminadas por veículos de carga em aproximação e resolver problemas com instrumentação montada no exterior e que possa ser necessária em futuras reparações ou substituições.

No interior da ISS os astronautas irão finalizar os trabalhos no vestíbulo entre o Unity e o PMM, abrindo a escotilha e entrando no novo módulo. Nos dois dias seguintes os astronautas terão alguns tempos livres, participando em entrevistas e na conferência de imprensa conjunta. No final do nono dia de voo os astronautas do Discovery regressam ao vaivém e irão proceder ao encerramento das escotilhas, preparando assim o último regresso à Terra do Discovery.

Não havendo problemas, o 12º dia será o último dia da missão com o regresso ao Centro Espacial Kennedy.

Imagens: NASA

Deixe um comentário