A patrulha do iceberg obtem atualizações rápidas a partir de órbita



A Coast Guard C-130 fixed wing aircraft overflies an iceberg during patrol.  Service with the International Ice Patrol is one of the many operations of the C-130. (U.S. Coast Guard photo)

O serviço internacional de patrulha de icebergs criado após o naufrágio do Titanic é agora capaz de rastrear gelo à deriva a partir de órbita mais rapidamente, através da computação em nuvem apoiada pela ESA.

Os icebergs que flutuam em linhas marítimas transatlânticas separam-se tipicamente da camada de gelo da Gronelândia antes de serem transportados para a Baía de Baffin. A partir daí, geralmente tornam-se ancorados ou continuam para sul. A maioria é gradualmente derretida, mas alguns podem perigosamente persistir mais a sul.

A 15 de Abril de 1912, o iceberg mais infame da história colidiu com o Titanic logo ao sul da cauda dos Grandes Bancos de Newfoundland. A perda de vidas foi enorme, com mais de 1500 passageiros e tripulantes perecendo.

O desastre levou as nações marítimas a estabelecer uma patrulha de icebergs pelo Atlântico Norte que continua até hoje. Desde 1913, a Guarda Costeira dos Estados Unidos controla a Patrulha Internacional do Gelo, e nenhum navio que preste atenção ao limite de icebergs publicado colidiu com um iceberg nesse período.

Durante a temporada de gelo de Janeiro a Julho, as aeronaves fazem voos de reconhecimento regulares, acrescendo à quantidade de imagens de radar dos satélites Sentinel-1A e -1B da Europa.

A Patrulha utiliza avistamentos aéreos e de navios para alimentar um banco de dados sobre icebergs para publicar avisos diários para marinheiros.

Veja o vídeo

Cada voo dura de sete a nove horas para cobrir uma extensão de água de 75 000 km2 ou mais“, explica David Arthurs, da PolarView, que dirige a Plataforma Temática Polar para a ESA.

Mas os satélites oferecem uma visão ampla adicional dentro da área de serviço total de 1 300 000 km2. Os satélites de radar são extremamente bons na detecção de gelo no mar e icebergs, mesmo na presença de nuvens ou na escuridão.

Esta tarefa acaba por ser feita muito mais rápida e facilmente através da nossa nova plataforma, que tem todos os principais dados de montagem e processamento numa única plataforma virtual. O seu valor real está em diminuir a distância entre os satélites em órbita e os usuários finais.

A velocidade é muito importante: pretendemos obter esses resultados nas mãos da Patrulha do Gelo o mais rápido possível – dentro de um punhado de horas, no máximo“.

A plataforma virtual permite a extracção fácil de informações de uma colecção de dados de satélites e modelos de computador, incluindo modelos de aparição e trajectória de icebergs, dados históricos, de correntes oceânicas e ventos relacionados com a Baía de Baffin, e produtos de gelo da Gronelândia a partir da Iniciativa de Mudança Climática da ESA.

As seis Plataformas Temáticas de Exploração da ESA permitem extrair conhecimentos de grandes conjuntos de dados ambientais produzidos pelo programa Europeu Copernicus e outros satélites de observação da Terra.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Deixe um comentário