A nova sonda da ESA prepara-se para a primeira ciência



trace-1

A sonda ExoMars está a preparar-se para fazer as suas primeiras observações científicas em Marte durante duas órbitas ao planeta, a partir da próxima semana.

O ‘Trace Gas Orbiter’, ou TGO, um esforço conjunto entre a ESA e a Roscosmos, chegou a Marte a 19 de Outubro. Entrou em órbita, como planeado, por um caminho altamente elíptico que o leva de 230 a 310 km acima da superfície para cerca de 98 000 km a cada 4.2 dias.

A principal missão científica só começará quando atingir uma órbita quase circular, cerca de 400 km acima da superfície do planeta, após um ano de “aerotravagem” – usando a atmosfera para travar gradualmente e alterar a sua órbita. As operações científicas devem começar em pleno em Março de 2018.

Mas na próxima semana as equipas científicas terão a oportunidade de calibrar os seus instrumentos e fazer as primeiras observações-teste, agora que a aeronave está realmente em Marte.

Na verdade, o detector de neutrões tem estado activo em grande parte da fase de cruzeiro do TGO para Marte e, actualmente, está a colectar dados para continuar a calibrar o fluxo de fundo e verificar que nada mudou depois do módulo Schiaparelli se ter desprendido da aeronave.

Medirá o fluxo de neutrões da superfície marciana, criado pelo impacto dos raios cósmicos. A maneira pela qual são emitidos e a sua velocidade ao chegar ao TGO dirá aos cientistas sobre a composição da camada superficial.

Em particular, uma vez que mesmo pequenas quantidades de hidrogénio podem causar uma mudança na velocidade do neutrão, o sensor será capaz de procurar locais onde gelo ou água poderão existir, entre 1-2 m no topo do planeta.

Os outros três instrumentos da sonda têm um número de observações-teste programadas durante 20-28 Novembro.

Durante a missão científica primária, dois pacotes de instrumentos farão medições complementares para fazer um inventário detalhado da atmosfera, particularmente daqueles gases que estão presentes apenas em quantidades vestigiais.

De particular interesse é o metano, que na Terra é produzido principalmente por actividade biológica ou processos geológicos, como algumas reacções hidrotermais.

As medições serão realizadas de diferentes modos: apontando para o Sol através da atmosfera, no horizonte à luz solar dispersa pela atmosfera, e olhando para baixo para a luz solar reflectida da superfície. Ao analisar como a luz solar é influenciada, os cientistas podem analisar os constituintes atmosféricos.

Nas próximas órbitas há somente oportunidades para apontar para o horizonte ou directamente na superfície. Isso permitirá às equipas científicas verificar a pontaria do seu instrumento para melhor se preparar para futuras medições.

Existe a possibilidade de que eles possam detectar alguma luz natural nocturna – uma emissão de luz na atmosfera superior produzida quando os átomos interrompidos pelo vento solar se recombinam para formar moléculas, libertando energia sob a forma de luz.

Durante a segunda órbita, os cientistas também planearam observações de Phobos, a maior e mais íntima das duas luas do planeta.

Finalmente, a câmara fará as suas primeiras imagens-teste em Marte na próxima semana. Em cada uma das duas órbitas, irá primeiro apontar às estrelas para se calibrar para a medição da reflexão da superfície do planeta. Depois apontará para Marte.

Dada a actual órbita elíptica, a aeronave estará mais próxima e mais distante do planeta, do que durante a sua principal missão científica.

Mais próximo do planeta, viajará mais rápido sobre a superfície do que na sua órbita circular final, o que apresenta alguns desafios no momento em que as imagens devem ser tiradas.

A câmara foi desenhada para capturar pares estéreo: capta uma imagem olhando ligeiramente para frente e, em seguida, a câmara é girada para olhar para trás para captar a segunda parte da imagem, a fim de ver a mesma região da superfície a partir de dois ângulos diferentes. Ao combinar o par de imagens, pode-se obter informações sobre as alturas relativas das características de superfície.

Na próxima semana, a equipa da câmara verificará o tempo interno para ajudar os comandos do programa para futuras observações científicas específicas. A alta velocidade e a alteração da altitude da órbita elíptica tornarão a reconstrução estéreo um desafio, mas a equipa será capaz de testar o mecanismo de rotação estéreo e os vários filtros diferentes de câmara, assim como compensar a orientação da nave espacial em relação à pista terrestre.

Não há alvos de imagem específicos em mente, embora perto da aproximação mais próxima da primeira órbita, a sonda voará sobre a região de Noctis Labyrinthus e tentará obter um par estéreo. Na segunda órbita, tem a oportunidade de capturar imagens de Phobos.

Em última análise, a câmara será usada para a imagem e análise de recursos que podem estar relacionados com as fontes de gases vestigiais e fossas, para ajudar a compreender melhor a gama de processos que podem estar a produzir os gases. As imagens também serão usadas para observar futuros locais de aterragem.

“Estamos animados por finalmente ver os instrumentos a funcionar no ambiente para o qual foram concebidos e ver os primeiros dados provenientes de Marte”, diz Håkan Svedhem, cientista do projecto TGO da ESA.

Após este breve período de demonstração de instrumentos científicos, que também serve como um teste para a retransmissão desses dados de volta à Terra, juntamente com dados dos rovers ‘Curiosity’ e ‘Opportunity’ da NASA, o foco volta às operações e às preparações necessárias para a aerotravagem no próximo ano.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Deixe um comentário