A Descida Da Rosetta Para A Região De Depressões Ativas



rosetta_s-1

Obtendo observações científicas únicas até ao fim, a emocionante missão da Rosetta vai culminar com uma descida a 30 de Setembro numa região de depressões activas na ‘cabeça’ do cometa.

A região, conhecida como Ma’at, encontra-se no menor dos dois lobos do Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko. É o lar de várias depressões activas de mais de 100 m de diâmetro e 50-60 m de profundidade – onde um número de jatos de poeira do cometa tem origem.

As paredes das depressões também apresentam estruturas irregulares intrigantes do tamanho de um metro denominadas ‘arrepios’, as quais os cientistas acreditam ser as assinaturas de ‘pedaços soltos’ que se juntaram para criar o cometa nas fases iniciais da formação do Sistema Solar.

Rosetta terá ainda uma visualização mais próxima destas fascinantes estruturas a 30 de Setembro: a sonda terá como alvo um ponto adjacente de uma depressão de cerca de 130 m, uma depressão bem definida que a equipa da missão informalmente denominou Deir el-Medina, por ser uma estrutura com uma aparência semelhante a uma cidade Egípcia com o mesmo nome.

Assim como os artefactos arqueológicos encontrados no interior de valas egípcias que transmitem aos historiadores informações sobre a vida naquela cidade, as depressões do cometa contêm pistas sobre a história geológica da região.

A Rosetta terá como alvo um ponto muito perto de Deir el-Medina, dentro de uma elipse com cerca de 700 x 500 m.

Desde 9 de Agosto que a Rosetta tem voado em órbitas elípticas que progressivamente a aproximam do cometa – na sua passagem aérea mais próxima, poderá chegar a 1 km da superfície, mais perto do que nunca.

Apesar de termos vindo a voar a Rosetta ao redor do cometa há dois anos, mantê-la a funcionar de forma segura nestas semanas finais da missão, no ambiente imprevisível deste cometa e tão longe do Sol e da Terra, será no entanto o nosso maior desafio”, diz Sylvain Lodiot, diretor de operações aeroespaciais da ESA.

Já estamos a sentir a diferença da força gravitacional do cometa à medida que vamos voando cada vez mais perto: isto está a aumentar o período orbital da sonda, que tem de ser corrigido por pequenas manobras. Mas é por isso que temos esses sobrevoos, descendo em pequenos incrementos, de modo a serem robustos contra esses problemas quando fizermos a aproximação final”.

O sobrevoo final será concluído a 24 de Setembro. Em seguida, uma curta série de manobras necessárias para alinhar a Rosetta com o local de impacto alvo serão executadas ao longo dos dias seguintes, à medida que passa de voar órbitas elípticas ao redor do cometa para uma trajectória que acabará por levá-la para a superfície do cometa no dia 30 de Setembro.

understanding-1

A manobra de colisão terá lugar na noite de 29 de Setembro, iniciando a descida a uma altitude de cerca de 20 km. A Rosetta irá descer essencialmente em queda livre, de forma lenta, em direção ao cometa, a fim de maximizar o número de medições científicas que podem ser recolhidas e devolvidas à Terra antes do seu impacto.

Uma série de instrumentos científicos da Rosetta vão recolher dados durante a descida, proporcionando imagens únicas e outros dados sobre o gás, poeira e plasma muito perto do cometa. O complemento exato de instrumentos e seu cronograma operacional continua por definir, porque depende de constrangimentos da trajetória final planeada e da taxa de dados disponíveis no dia.

O impacto está previsto ocorrer por volta 10:40 GMT +/- 20 minutos, com incertezas ligadas à trajectória exacta da Rosetta no dia, e à influência da gravidade perto do cometa. Tendo em conta o tempo adicional de viagem do sinal de 40 minutos entre a Rosetta e a Terra a 30 de Setembro, isto significa que se espera a confirmação do impacto na sala de controlo da missão da ESA em Darmstadt, Alemanha, por volta das 11:20 GMT +/-20 minutos. Os tempos serão actualizados à medida que a trajectória é ajustada.

De modo semelhante ao acordar da Rosetta da hibernação no espaço profundo em Janeiro de 2014, onde um pico ascendente na frequência certa confirmou que a nave estava viva e transmitindo o seu sinal portador, os controladores da missão observarão esse pico desaparecer uma última vez, assim que se dê o impacto. Não será possível recuperar dados depois deste evento.

No mês passado comemorámos dois emocionantes anos desde a chegada ao cometa, e também um ano desde a aproximação mais cerca do cometa ao Sol ao longo da sua órbita”, diz Matt Taylor, cientista do projecto Rosetta da ESA.

É difícil acreditar que a incrível odisseia de 12,5 anos da Rosetta está quase no fim, e que estamos a planear o conjunto final de operações científicas, mas estamos certamente ansiosos para incidir sobre a análise das resmas de dados por muitas décadas.”

Esta missão pioneira pode estar a chegar ao fim, mas certamente deixou sua marca nas esferas técnica, científica e pública como sendo um sucesso notável, com resultados incríveis que contribuem para a compreensão actual e futura do nosso Sistema Solar”, acrescenta Patrick Martin, director da missão Rosetta da ESA.

Notícia e imagens: ESA

Deixe um comentário